Jovens aprendem a salvar na praia

33
visualizações
A 2.ª edição do Nadador Salvador Júnior na Costa da Caparica

A CaparicaMar é uma das associações que trabalha pela vida de quem frequenta a frente atlântica da Costa da Caparica. Para além de ensinar a crianças e jovens como lidar com o mar, acredita que pode contribuir para que mais se interesse por serem nadadores salvadores

- Pub -

 

A Associação de Resgate e Salvamento Aquático, CaparicaMar, iniciou hoje a 2.ª edição do Nadador Salvador Júnior – lifeguard junior – direcionado para crianças e jovens dos 8 aos 16 anos. Trata-se de um campo de férias, a decorrer na Costa da Caparica, onde os participantes são submetidos a desafios para desenvolverem uma cultura de segurança na praia e aprenderem a trabalhar em equipa.

“Vão fazer praticamente tudo o que um nadador salvador faz. Não só para aprenderem a proteger-se em situação de risco”, explica Fernando Marques, responsável pela formação da CaparicaMar. “Outro objectivo é cativar estes jovens para que um dia possam ser eles próprios nadadores salvadores”, acrescenta.

Na primeira edição desta iniciativa que tem em parte da sua missão alertar as crianças e jovens para os perigos do mar, foram 66 os participantes, enquanto que na edição que agora começou são quase 40. “É mais fácil transmitir conhecimentos a grupo pequeno”, diz Fernando Marques, dai terem reduzido o número de inscrições.

Este período de formação termina na próxima quarta-feira com a entrega de certificados numa cerimónia marcada para as 20h00 no salão nobre do quartel dos Bombeiros da Trafaria, onde será lida uma mensagem do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Estas acções são apenas uma das iniciativas que a associação CaparicaMar tem vindo a desenvolver desde que foi criada há 10 anos, com o objectivo maior de acabar com o número de mortes que ocorriam, e ocorrem nas praias da Costa da Caparica. Para o conseguir “precisamos de mais nadadores salvadores”, refere Fernandes Marques.

“Não acredito em nadadores salvadores formados em piscinas, têm de ser feitos no mar, nas condições em que perante o perigo temos de saber como reagir”, diz este responsável de formação, que revela que um dos sonhos da associação é “abrir uma academia internacional de nadadores salvadores na Costa da Caparica”.

Entretanto a CaparicaMar vive uma realidade que não tem sido fácil, aliás “depende da ajuda de outros”. Sem instalações próprias, o material que usam no socorro tem ficado guardado num espaço emprestado pelos bombeiros ou de amigos. “Já pedimos à Câmara de Almada para ser sensível ao nosso trabalho e ceder-nos um espaço. É que “com praias que recebem turistas todo o ano, temos de ter condições para fazer vigilância e salvamento também todo o ano.

Comentários

- Pub -