GNR de Setúbal apanha 9 por contrabando de enguia bebé

113
visualizações
A enguia bebé europeia é vulgarmente conhecida por meixão e encontra-se classificada como espécie em perigo

Chamam-lhe meixão e atinge valores exorbitantes no mercado negro. O tráfico internacional vai da Europa à China, Vietname, Tailândia e Filipinas. 200 quilos podem custar mais de um milhão de euros

- Pub -

Nove homens, com idades entre os 34 e 62 anos, foram detidos entre segunda e quarta-feira, por contrabando e tráfico internacional de meixão (enguia bebé), que tinha como destino o mercado asiático, informou hoje a GNR de Setúbal.

Em comunicado, aquela autoridade adianta que o grupo de suspeitos, de nacionalidades portuguesa, espanhola e chinesa, tinha “elevada organização e diversas células espalhadas pela Europa”, tendo como modo operacional o “recurso a correios” para transportar o meixão para países como China, Vietname, Tailândia e Filipinas.

“Nos mercados internacionais o quilo do meixão é avaliado entre 5.000 e 6.500 euros, e em Portugal, é avaliado entre os 500 e 1.000 euros”, explicou.

No âmbito desta investigação, a GNR realizou quatro buscas domiciliárias e uma não domiciliária, o que levou à apreensão de 200 quilos de meixão, que poderiam atingir no mercado final o valor de 1,3 milhões de euros.

Nesta operação, os militares apreenderam ainda dois veículos equipados com tanques especiais para o transporte do meixão em estado vivo, 70 malas de viagem utilizadas para o transporte internacional das enguias, 22 redes novas para a pesca deste peixe, diverso material para acondicionamento e transporte do meixão em malas de viagem e 110 mil euros em numerário.

A enguia europeia é vulgarmente conhecida por meixão (enguia bebé) e encontra-se classificada como “espécie em perigo”, pelo que, em Portugal, a captura deste peixe só é permitida no rio Minho, a pescadores devidamente autorizados, conforme o período sazonal.

“A detenção e comercialização desta espécie dependem de certificado comunitário, emitido pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF)”, explicou a GNR.

Segundo a mesma fonte, os nove suspeitos foram constituídos arguidos pelos crimes de dano contra a natureza, contrabando qualificado, branqueamento de capitais e associação criminosa.

Por indicação do ICNF e após avaliação pericial, foram devolvidos ao seu habitat cerca de 700 mil exemplares.

 Lusa

 

Comentários

- Pub -