Palmela Cidade do Vinho. Escultura assinala 10 anos do galardão

60
visualizações

Em 2009 Palmela surpreendeu o mundo ao ser eleita como primeira Cidade do Vinho. Uma década depois, o município perpetuou o feito no espaço público

 

- Pub -

O designer setubalense Paulo Curto foi o criador do logótipo de Palmela Cidade do Vinho 2009, que deu corpo a uma escultura que foi inaugurada, no passado sábado, para assinalar os 10 anos do galardão.

A população participou na iniciativa, que contou com a presença de autarcas, produtores e instituições vinícolas, a que se juntou o representante da Direcção Regional de Agricultura de Lisboa e Vale do Tejo.

A escultura colorida representa um cacho de uvas, que ganha ainda maior beleza com a iluminação à noite, e está localizada no início da Avenida da Liberdade, uma das principais entradas da vila de Palmela.

Paulo Curto foi o designer do monumento

O presidente da Associação de Municípios Portugueses do Vinho, Pedro Ribeiro, reconheceu que Palmela “é um exemplo muito inspirador” e sublinhou: “Foi aqui que tudo começou e se temos a presidência da Rede Europeia das Cidades do Vinho a ela [Palmela] o devemos”.

Já o representante da Direcção Regional de Agricultura de Lisboa e Vale do Tejo, José Fonseca, lembrou o “percurso de absoluto sucesso em Portugal dos produtores, dos agricultores, instituições públicas e privadas no trabalho em parceria”. O responsável destacou a “grande congregação entre a inovação e a eficiência e a interligação entre
municípios e a economia” e juntou: “Este evento fala por si”.

Distinção espicaçou a criatividade

“Apesar da inauguração da estatueta estar prevista para finais de 2019, o mau tempo não o permitiu”, explicou o presidente da Câmara Álvaro Amaro, salientando a importância da distinção que, considerou, “veio espicaçar a criatividade para a criação de eventos para juntar à Festa das Vindimas e à Mostra de Vinhos de Fernando Pó”, ao mesmo tempo
que aludiu a 2012, quando Palmela “foi distinguida como Cidade Europeia do Vinho”.

O edil reconheceu que as adegas do concelho “trilharam um caminho de sucesso com quase duas mil medalhas conquistadas”, contribuindo “para que Palmela se assuma com destino turístico”. “Passámos para 100 mil dormidas em vez das 20 mil”, disse, anunciando que o território irá ter “novos investimentos e desafios na área da hotelaria”.

Depois da actuação da saxofonista Marisa Borralho, foi feito um brinde com moscatel e fogaças para assinalar os 10 anos de Palmela, Cidade do Vinho.

 

Comentários

- Pub -