PSD avança com projecto de resolução para suspender dragagens no estuário do Sado

200
visualizações
Cerca de uma centena de pessoas estiveram hoje frente aos Paços do Concelho da Câmara de Setúbal contra as dragagens no Sado

O vereador do PSD Nuno Carvalho anunciou hoje, na reunião de Câmara de Setúbal, que o grupo parlamentar social-democrata vai apresentar um projecto de resolução para suspensão das dragagens no estuário do Sado

- Pub -

 

O vereador do PSD na Câmara de Setúbal e deputado na Assembleia da República, Nuno Carvalho, anunciou hoje que o grupo parlamentar social-democrata vai apresentar um projecto de resolução para suspensão das dragagens no estuário do Sado.

“O grupo parlamentar do PSD irá dar entrada de um projecto de resolução que propõe a suspensão da obra, a realização de um estudo de impacte económico com especial atenção aos sectores da pesca e turismo, bem como acções de esclarecimento nos concelhos de Setúbal e Grândola”, disse Nuno Carvalho na reunião do executivo camarário realizada hoje à tarde em Setúbal.

O projecto de resolução, que constitui uma recomendação ao Governo, sem força de lei, deverá ser apreciado e votado no próximo dia 19 de Dezembro na Assembleia da República, a par de outros três projectos de resolução para a suspensão das dragagens no estuário do Sado, apresentados anteriormente pelo BE, PAN e PEV.

Enquanto à porta dos Paços do Concelho de Setúbal, no período da reunião de Câmara, um grupo de pessoas proferia palavras de ordem contra as dragagens no Sado, o autarca social-democrata lembrava perante os vereadores que o seu partido sempre manifestou preocupação pela forma deficitária como correu o processo de consulta pública, em que foram convidadas a participar entidades como o Clube de Montanhismo da Arrábida e a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, mas “não houve convites à participação de `entidades fulcrais´, como, por exemplo, o Club Arrábida, Cooperativa de Pescas de Setúbal, Sesimbra e Sines, Artesanal Pesca, Associação de Pesca Artesanal de Sesimbra e Câmara Municipal de Grândola”.

Sobre as dragagens, o vereador do PS Paulo Lopes afirmou que a presidente da Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra (APSS), Lídia Sequeira, já anunciou publicamente que a segunda fase do projecto inicial foi abandonada.

“Já ouvi a presidente da APSS dizer, publicamente, que a segunda fase [do projecto de melhoria das acessibilidades marítimas ao porto de Setúbal] não se iria realizar, facto com que nos congratulamos pois essa era a posição do PS Setúbal”, disse Paulo Lopes.

Na ausência da presidente Maria das Dores Meira, o vice-presidente da maioria CDU, Manuel Pisco, que dirigiu a reunião de câmara, defendeu a necessidade de se confiar nas instituições que têm a missão de avaliar licenciar as dragagens.

“Devem ser as entidades com melhor conhecimento científico e técnico a aconselhar a sociedade e a monitorizar”, disse Manuel Pisco, reconhecendo que a preocupação popular com as dragagens “obriga a olhar com mais atenção para o que se deve ou não deve fazer”.

Para David Nascimento, porta-voz da SOS Sado, associação que tem sido particularmente activa na luta contra as dragagens no Sado, a presença de cerca de uma centena de pessoas junto ao edifício da Câmara e na sala de sessões “veio demonstrar que a contestação está viva”.

“Penso que esta reunião de Câmara foi uma oportunidade perdida pelo poder local, de ouvir e de se colocar ao lado das populações afetadas pelas dragagens “, disse à agência Lusa David Nascimento.

“A discussão sobre as dragagens na sessão de Câmara estava comprometida à partida, porque o período para inscrições para o público intervir foi entre as 15h30 e as 16h00 e, nessa altura, muitas das pessoas que aqui estiveram ainda estavam a trabalhar, e, além disso, as inscrições são limitadas a um reduzido número de pessoas”, lamentou.

 

 

Comentários

- Pub -