Mourinho é o novo treinador do Tottenham

17
visualizações

O setubalense assinou por três épocas e meia com os ‘spurs’ e diz-se “entusiasmado”. Presidente do clube londrino lembra que estamos perante um dos melhores de sempre

 

- Pub -

Um ano depois da saída do Manchester United, o setubalense José Mourinho está de volta ao activo para treinar os ingleses do Tottenham, o oitavo clube da sua carreira. A contratação já foi confirmada na página oficial do clube londrino na Internet, com o presidente Daniel Levy a sublinhar que o setubalense é “um dos treinadores mais bem sucedidos no futebol”.

Mourinho, 56 anos, que terá rubricado um contrato válido até Junho de 2023, confessou-se “entusiasmado” e salientou a grandeza do historial do clube bem como a qualidade do plantel que terá às ordens, razões que, admitiu, o levaram a ter aceitado a proposta dos “spurs”.

O setubalense vai suceder ao argentino Maurício Pochettino, que foi dispensado na terça-feira, depois de cinco épocas e meia ao comando dos ‘spurs’, que levou a época passada à final da ‘Champions’, perdida para o Liverpool.

Na sua carreira, Mourinho, que já venceu duas edições da Liga dos Campeões, uma Liga Europa e uma Taça UEFA, além de oito campeonatos nacionais (três em Inglaterra, dois em Portugal e em Itália e um em Espanha), também orientou o Sport Lisboa e Benfica, União de Leiria, FC Porto, Inter Milão e Real Madrid.

Depois de vários anos como adjunto, no Estrela da Amadora, Sporting, FC Porto e FC Barcelona, Mourinho estreou-se como treinador principal no Benfica, em 2000/01, numa curta experiência que durou 11 jogos e pouco mais de dois meses e meio.

Mourinho, que fechou com um 3-0 caseiro ao Sporting, em 03 de Dezembro de 2000, depois de arrancar com um desaire por 1-0 com o Boavista, no Bessa, em 23 de Setembro, acabou por sair devido à mudança na presidência do clube.

Na época seguinte, rumou à União de Leiria, onde só durou 19 jornadas, uma vez que o FC Porto foi buscá-lo a meio da época, para suceder a Octávio Machado.

Ao serviço dos ‘dragões’, Mourinho só precisou de duas épocas e meia para fazer história, nomeadamente com a conquista da Liga dos Campeões e da Taça UEFA, mais dois campeonatos, uma Taça de Portugal e uma Supertaça.

Depois de vencer a ‘Champions’, não resistiu ao convite do russo Roman Abramovich e rumou ao Chelsea, onde, com muitos milhões, construiu uma equipa que venceu a Premier League logo na primeira época (2004/05).

‘Mou’ conquistou dois troféus em cada uma das três épocas que passou em Stamford Bridge, incluindo dois campeonatos, mas acabou despedido no início da quarta.

Depois de quase um ano de ‘fora’, ingresso em 2008/09 no Inter Milão, clube que, em dois anos, conduziu a cinco títulos, entre os quais a sua segunda ‘Champions’, em 2009/10, em pleno Bernabéu, onde se instalou nas três épocas seguintes.

Pelo Real Madrid, num conjunto em que pontificava o seu compatriota Cristiano Ronaldo, Mourinho esteve três épocas e conquistou outros tantos títulos, a Taça do Rei na primeira, a Liga espanhola na segunda e a Supertaça na terceira.

Saiu sem conseguir dar aos ‘merengues’ a tão desejada ‘10.ª’, voltando ao Chelsea, pelo qual nada ganhou em 2013/14, para, em 2014/15, voltar a ganhar o campeonato, o que não impediu novo despedimento, em Dezembro de 2015.

Na época seguinte (2016/17), aceitou o repto de ‘endireitar’ o Manchester United, ‘órfão’ desde a saída de Alex Ferguson, mas, após uma primeira época ‘agradável’, com três títulos, incluindo a Liga Europa, ficou em ‘branco’ na segunda e não resistiu à terceira, somando novo despedimento em Dezembro.

Agora, quase um ano depois, chega ao seu oitavo clube, o terceiro na Premier Legue, sendo que, quase 18 anos depois, volta a ingressar num clube a meio da época, o que tinha acontecido pela única vez na troca da União de Leiria pelo FC Porto (2001/02).

Mourinho sucede nos vice-campeões europeus em título a Pochettino, que deixa o Tottenham no 14.º lugar da Premier League, a três pontos do quinto, mas a 20 do líder Liverpool, e em segundo no Grupo C da ‘Champions’ e quase nos ‘oitavos’.

Lusa

Comentários

- Pub -