Professora do Liceu Nacional de Setúbal recordada com saudade

186
visualizações

Morreu Maria Auzenda Paulino Pereira. Professora que acompanhou gerações de setubalenses no Liceu Nacional de Setúbal, onde leccionou durante largas décadas a disciplina de Francês, segundo palavras da sua antiga aluna Hélida Carvalho Santos.

- Pub -

Em homenagem pública, a aluna recorda a mestra de forma carinhosa, num episódio que marcou a sua juventude.

“Situo-me no 2º ano do liceu, disciplina de Francês. Uma turma razoavelmente disciplinada, com duas excepções: eu e a minha inseparável amiga Anabela Reis. Embora excessivamente irrequietas, não tínhamos problemas de convivência com nenhuma colega da turma, que era a mesma do 1º ano, antes pelo contrário, que o diga a nossa querida Isabel Frescata Montargil”.

Hélida recorda o dia em que, com a ajuda de Anabela, decidiu encher o caderno de Francês de uma colega “com palavrões”.

Tocava para a aula de Francês. A professora Auzenda entra na sala com a sua simpatia sempre estampada no rosto sorridente e dirige-se à secretária. Enquanto a turma tirava os cadernos da disciplina, a aluna a quem Hélida e Anabela haviam feito a partida começa a chorar e mostra o caderno à professora.

“A Drª Auzenda vem junto dela, olha o caderno, folheia e reflecte no rosto a sua indignação. Situa-se a meio do estrado, vira-se para a turma e diz, de forma veemente. Quem fez isto? Quem escreveu estes palavrões? Quem foram as meninas malcriadas que sujaram o caderno da colega? Isto foi muitíssimo feio. Vá, vamos lá a confessar quem foi. Silêncio geral”.

As colegas entreolhavam-se, estupefactas, sem saberem de onde tinha partido a infracção e passado um largo tempo a paciente professora Auzenda voltou a exigir que as culpadas se denunciassem.

“Se ninguém se acusa, eu vou investigar. Irei percorrer toda a sala e, de aluna em aluna, irei comparar as letras e vou encontrar as culpadas”, recorda Hélida.

Em silêncio, a professora começou a tarefa de comparar letras. Quando chegou junto a Hélida agarrou o seu caderno e colocando-o ao lado do “acidentado”, olhou a aluna nos olhos.

No final da revista pela sala, guardou o caderno na sua pasta e encarou frontalmente a turma. “Revistei todas as letras e, para não cometer qualquer injustiça, prefiro não acusar ninguém. Julgo que quem prevaricou o saberá, em consciência, e tenho a certeza que, neste momento, já estão arrependidas. Julgo que nunca mais irão repetir semelhante acção e que este período em que comparei as letras já foi suficiente, porque os castigos têm muitas formas de ser aplicados. A maior condenação está dentro de vocês”.

Um dos muitos momentos que acompanharam os alunos da professora Auzenda e que os leva a recordar a sua mestra pelas lições de carácter e tolerância, que ainda hoje guiam as suas vidas.

Na recordação e homenagem à sua estimada professora, Hélida Carvalho Santos despede-se com a certeza de que Maria Auzenda Paulino Pereira “partiu com a sua nobre missão cumprida, deixando no coração das suas centenas de alunos, gratidão, instrução e muita saudade”.

À família, colegas de ensino e alunos, O SETUBALENSE-DIÁRIO DA REGIÃO apresenta a suas sentidas condolências.

Comentários

- Pub -