Utentes ‘pendurados’ nas paragens falham comboios

166
visualizações

A Fertagus diz que os autocarros ao serviço da SulFertagus são contratualizados com a TST. Com algumas viaturas avariadas a empresa do comboio da ponte passa a bola. Mas a prestadora de serviço rodoviário diz estar a cumprir. O certo é que os utentes são prejudicados

 

- Pub -

Desde, pelo menos, o início da passada semana, que o serviço de autocarros SulFertagus 2C, que faz a ligação entre o Laranjeiro e Corroios, (estação da Fertagus – Mesquita, e vice-versa) salta alguns horários. Uma das falhas coincide, persistentemente, com o horário da 8h40, no sentido da estação de Corroios, onde se faz a ligação aos comboios para Lisboa e Setúbal.

A falta deste horário, para além de complicar as deslocações para Lisboa – embora a grande frequência de composições neste sentido –, mais dificulta ainda as dos passeiros que seguem para Setúbal, uma vez que os horários para a capital de distrito são apenas de hora a hora.

O que acontece é que o horário seguinte é às 8h50 e, para além do autocarro ficar sobrelotado, devido ao trânsito, não consegue cobrir algumas ligações do comboio. “Começa a ser difícil justificar os atrasos no emprego”, diz Noélia Basto que, por norma, apanha o comboio das 8h04 em Corroios no sentido de Lisboa, enquanto isso; “vou somando justificações”.

Paulo, que também apanha o serviço de autocarros das 8h40, é outro dos prejudicados com o incumprimento do horário. “Os funcionários na estação dizem que há autocarros avariados”, conta, mas não acredita que seja preciso mais de uma semana para que a situação esteja resolvida.

 

Fertagus fala em incumprimento da TST, mas esta diz que não está a falhar

 

Este é um dos passageiros que promete começar a pedir justificação de atraso na bilheteira da Fertagus em Corroios, uma vez que as duas empresas estão ligadas. Mas já há quem o faça, e a justificação dos funcionários é sempre a mesma. “Estão três autocarros avariados”. Caso o utente habitual desta ligação rodoviária tenha de recorrer ao serviço de táxi para chegar a horas à estação, é informado de que para ser ressarcido “tem de se fazer uma exposição à Transportes Sul do Tejo [TST]. Eles analisam e dão uma resposta”, um valor que pode rondar os 5 euros pela corrida.

Questionada a Fertagus, a empresa admite que nos “últimos dias verificaram-se perturbações na realização do serviço SulFertagus”. E, ao mesmo tempo que pede desculpa aos utentes, a empresa reconhece que “face a alguns constrangimentos recentes com algumas viaturas, tem-se verificado uma incapacidade para o cumprimento do serviço, na sua totalidade”.

Um incumprimento que a Fertagus atribui ao “prestador de serviços, a Transportes Sul do Tejo”. Perante isto a empresa garante que “está a envidar todos os esforços junto da empresa TST, no sentido da regularização do serviço prestado no mais curto espaço de tempo”.

Contactada a TST, a administração da empresa avança a O SETUBALENSE uma versão algo diferente ao garantir que “presta o serviço de acordo com o que está contratualizado com a Fertagus, pelo que os níveis de serviço da SulFertagus são os que a Fertagus contratualizou”.

Comentários

- Pub -