Casal detido por incêndio que ontem destruiu 40 hectares de floresta

98
visualizações

Os suspeitos foram detidos ainda no local. Fogo terá sido provocado pelo uso de um veículo agrícola com roça-mato. Foi extinto às 15h20 após operação que envolveu sete meios aéreos

 

- Pub -

Um homem, de 41 anos, e uma mulher, de 21, foram ontem detidos pelo Núcleo de Protecção Ambiental da GNR, suspeitos de terem provocado um incêndio florestal em Grândola, que consumiu 40 hectares de mato e colocou uma habitação em risco. O casal foi detido no local, pouco depois de as autoridades terem sido alertadas para a ocorrência.

“Após ter sido comunicado o alerta de um incêndio florestal por parte da população, prontamente os militares do Núcleo de Protecção Ambiente e do Posto Territorial de Grândola deslocaram-se para o local e dirigiram-se ao possível ponto inicial de foco de incêndio onde, momentos depois, foi possível avistar os suspeitos e proceder à detenção dos mesmos”, revelou hoje a GNR em comunicado.

Na origem do incêndio, de acordo com a GNR, terá estado a “utilização de um veículo agrícola com um roça-mato”, equipamento que acabou por ficar destruído pelas chamas.

O sinistro, acrescenta a GNR, “resultou na destruição de cerca de 40 hectares de mato (sobreiros, azinheiras, eucaliptos e mato)”, chegando a colocar “uma habitação em risco”.

Os suspeitos foram detidos e constituídos arguidos “e os factos remetidos ao Tribunal Judicial de Grândola”.

A operação da GNR englobou ainda militares do Posto Territorial do Torrão e da Secção de Policiamento Comunitário.

Cinco aviões e dois helicópteros no combate

O fogo, recorde-se, deflagrou na manhã desta terça-feira numa área de mato no concelho de Grândola, com o combate às chamas a mobilizar 193 operacionais, apoiados por 62 veículos e sete meios aéreos, confirmou a Protecção Civil.

De acordo com a página de Internet da Autoridade Nacional de Protecção Civil, o alerta foi dado às 11h19, com o sinistro a atingir uma zona de mato na área geográfica da freguesia de Grândola e Santa Margarida da Serra.

O incêndio acabou por ser dominado às 15h20, motivando a acção de 10 máquinas agrícolas e de rasto no local, para “ajudar a abrir faixas de contenção”, disse o comandante distrital de Protecção Civil de Setúbal, Elísio Oliveira. A operação, de acordo com o responsável, envolveu ainda quatro aviões bombardeiro, dois helicópteros ligeiros e um avião de coordenação.

com Lusa

Comentários

- Pub -