Ministra do Mar apresenta investimentos de 1,1 mil milhões para o Porto de Sines

92
visualizações
A Carga Contentorizada teve um crescimento homólogo de 5,5%

Ana Paula Vitorino preside, esta quarta-feira, à cerimónia de apresentação dos projectos de expansão do Terminal XXI e do novo Terminal Vasco da Gama

 

- Pub -

 

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, vai apresentar esta quarta-feira no Porto de Sines, a partir das 11h30, os projectos de investimento aprovados pelo Governo para expansão do Terminal XXI e criação do Terminal Vasco da Gama, num valor global de 1,189 mil milhões de euros.

Após a cerimónia de apresentação oficial dos projectos – no edifício da Administração do Porto de Sines (APS) – que contará com intervenções de José Luís Cacho, presidente da APS, e Ana Paula Vitorino, a governante procederá ao descerramento da placa alusiva à inauguração do novo sistema de controlo de tráfego marítimo (VTS).

A deslocação da ministra do Mar ao Porto de Sines contempla ainda em agenda a visita ao Molhe Leste da infra-estrutura portuária, onde poderá apreciar a panorâmica do Terminal XXI bem como do local onde irá nascer o Terminal Vasco da Gama.

O “alargamento” do Terminal XXI ascende a um investimento na ordem dos 547 milhões de euros, que será custeado integralmente pela concessionária PSA Sines, e o concurso público internacional para construção do Terminal Vasco da Gama recebeu luz verde do Governo para ser lançado por 642 milhões, representando também um financiamento totalmente privado.

Os dois projectos de investimento foram aprovados no passado dia 25 em Conselho de Ministros.

Ainda em relação ao futuro Terminal Vasco da Gama, a totalidade do risco será assumida pelo futuro concessionário. Segundo Ana Paula Vitorino, a infra-estrutura prevê um aumento da capacidade de Sines de três milhões de TEU (unidade de medida de contentores) e “envolve não só a construção de um cais que vai permitir a atracação simultânea de três navios maiores do mundo de contentores” como também “equipamentos e todas as funcionalidades que permitirão colocar esse terminal nas rotas internacionais”.

O prazo de concessão deste terminal, de acordo com o Ministério do Mar, é previsto para 50 anos.

Aprovação em Conselho de Ministros

A alteração das bases da concessão do Terminal XXI, que comtempla um investimento de 547 milhões de euros, prevê a extensão do prazo do contrato em 20 anos, revelou o Ministério do Mar, e o alargamento irá aumentar a capacidade dos actuais 2,3 milhões para 4,1 milhões de TEU.

Ainda de acordo com a informação avançada pela tutela em comunicado, “a PSA Sines abdica do direito de preferência”, através da revogação de uma cláusula que “assegura o afastamento de qualquer direito de preferência ou exclusividade da concessionária deste terminal”.

O Terminal XXI é actualmente “o maior empregador da região, com mais de mil postos de trabalho”, sendo que o referido aditamento “virá reforçar a criação emprego, contribuindo para o desenvolvimento sócio-económico da região e do país”, acrescentou a tutela.

Quer a expansão do Terminal XXI quer o novo Terminal Vasco da Gama foram justificados pelo Governo com o aumento da procura.

“Sines tem vindo a registar importantes índices de crescimento neste tipo de carga, tendo nos últimos 15 anos crescido de 20 mil TEU em 2004 para mais de 1,750 milhões TEU em 2018, o que representa um crescimento de mais 8.652,2% a uma taxa média anual de crescimento de mais de 37,6%”, concluiu o Ministério do Mar.

Terminal XXI “dobra” capacidade

O Terminal XXI passará a ter uma frente de cais de 1.950 metros, uma área de armazenagem de 60 hectares (actualmente tem 42 hectares), o que permitirá aumentar a capacidade instalada para quase o dobro. Passará dos actuais 2,3 milhões de TEU para 4,1 milhões, contando com a instalação de mais nove gruas, 30 pórticos de parque e equipamentos de transporte.

Expansão gera mais trabalho e impacto no PIB

O impacto no PIB, com o investimento no Terminal XXI, será de 118 milhões de euros, estima o Ministério do Mar, adiantando que a acção promoverá a criação de cerca de 4 600 postos de trabalho se considerados os efeitos directos, indiretos e induzidos. “Em termos directos prevê-se a criação de 900 novos postos de trabalho” no Terminal XXI.

Terminal Vasco da Gama vai criar 1 350 postos de trabalho directos

A estimativa do Governo para o Terminal Vasco da Gama é a de que o equipamento gere um impacto económico total de 524 milhões de euros representando 0,28% do PIB e 0,33% do VAB [Valor Acrescentado Bruto] português. A previsão aponta para que o novo terminal crie “1 350 postos de trabalho directos na fase de exploração”.

Com Lusa

Comentários

- Pub -