Terminal Interface de Setúbal mais perto da concretização

496
visualizações

As empresas a concurso para a adjudicação da construção do terminal ferroviário e rodoviário de Setúbal têm agora 21 dias para apresentar novas propostas

 

- Pub -

 

 

A Câmara Municipal de Setúbal aprovou, em reunião pública, a abertura de um novo concurso público para execução da empreitada do terminal Interface de Setúbal, que será construído até 2021, na Praça do Brasil. Uma obra com uma proposta orçamental de cerca de 4,5 milhões de euros e um prazo de execução de 545 dias.

Neste contexto, a autarquia anuncia que, “por motivos de aproveitamento da calendarização da candidatura em curso a fundos comunitários” foi decidido através de despacho assinado pela presidente, Maria das Dores Meira, a 27 de Março, “o lançamento de um novo concurso público”.

O concurso coloca agora um prazo de 21 dias para apresentação das propostas, estando duas empresas na corrida. As mesmas que apresentaram propostas no concurso anterior.

Quanto ao critério para adjudicação será “o da proposta economicamente mais vantajosa, determinada pela avaliação da melhor relação entre qualidade e preço”, informa a autarquia.

O projeto designado de “PAMUS 01 – Interface de Setúbal” enquadra-se na estratégia de mobilidade para a cidade e integra uma candidatura ao Portugal 2020 para obtenção de financiamento no âmbito dos PEDU – Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano.

 

Cidade aguarda novo terminal

 

O novo Interface de Setúbal unirá o transporte ferroviário e rodoviário no mesmo espaço e será construído no parque de estacionamento existente entre a estação da Praça do Brasil e a rotunda do final da Avenida da Portela, em frente ao Colégio de Santa Ana.

Com a execução deste projecto a autarquia pretende minimizar todas as desvantagens que a localização do terminal rodoviário na Avenida 5 de Outubro acarreta para o centro da cidade, deixando este transporte distante dos outros meios existentes. Situação que, para além de provocar problemas de mobilidade, acarreta também “danos ambientais que podem ser minimizados com a deslocalização daquele serviço”.

Na união entre o transporte ferroviário e rodoviário, o novo interface terá capacidade para receber 14 autocarros, estacionamento subterrâneo para 117 carros, bilheteiras e outras áreas de apoio, para além dos comboios CP e Fertagus.

Comentários

- Pub -