Exposição sobre floresta motiva ciclo de conferências na Casa da Baía

52
visualizações

“A Floresta – muito mais do que madeira” é a primeira mostra itinerante em Portugal da Fundação la Caixa e retrata o ecossistema florestal e as principais espécies arbóreas da Península Ibérica

 

- Pub -

A Casa da Baía, em Setúbal, vai receber entre o próximo dia 19 e 18 de Abril um ciclo de conferências no âmbito da exposição “A Floresta – muito mais do que madeira”, mostra inaugurada no passado dia 6 e patente ao público no Largo José Afonso até 25 de Abril que retrata o ecossistema florestal e as principais espécies arbóreas da Península Ibérica. Reflectir sobre temáticas relacionadas com a referida exposição é o objectivo deste ciclo de encontros, sempre com início agendado para as 18h00 e entradas livres.

A conferência de abertura, marcada para o próximo dia 19, é subordinada ao tema “A árvore e acidade” e terá como oradora a investigadora Ana Raquel Lopes, do Centro de Investigação Didáctica e Tecnologia na Formação de Professores da Universidade de Aveiro.

“A relevância do Bosque Ibérico na História Peninsular” é o mote da conferência seguinte, a ter lugar a 4 de Abril e a cargo de Jorge Paiva, investigador do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra.

No dia 10 de Abril será a vez de Elizabete Marchante, investigadora do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, a apresentar o tema “À conversa sobre plantas invasoras: o que são, onde estão e como as controlar”.

Este ciclo de conferências termina, no dia 18 de Abril, com Paulo Magalhães, comissário da exposição “A Floresta – muito mais do que madeira” e responsável pela Casa Comum da Humanidade em Portugal, a debruçar-se sobre o tema “Dos tangíveis aos intangíveis florestais: um novo quadro conceptual de suporte à sustentabilidade”.

O ciclo de encontros, gratuito, é organizado em parceria pelo Exploratório – Centro Ciência Viva de Coimbra e pela Fundação “la Caixa”, e conta com o apoio da Câmara Municipal de Setúbal.

Além deste ciclo de conferências, o Exploratório – Centro Ciência Viva de Coimbra organiza, igualmente, actividades destinadas a grupos escolares do 1.º ciclo, no dia 28 de Março, entre as 11h00 e as 16h00.

 

Dores Meira quer que Setúbal seja exemplo europeu

 

“A Floresta – muito mais do que madeira” é a primeira exposição itinerante em Portugal da Fundação “la Caixa”, numa organização conjunta com o BPI, em parceria com a autarquia. A mostra alerta para a importância ambiental, económica e social das florestas, através de diversos recursos, instalados num espaço com 30 por 10 metros.

Trata-se de uma “extraordinária exposição”, considerou a presidente da Câmara de Setúbal, Maria das Dores Meira, durante a cerimónia de inauguração, realçando que a mostra assinala, acima de tudo, quais “as mais-valias que nos trazem estes recursos naturais e porque os devemos preservar a todo o custo num tempo em que tantas ameaças ambientais se abatem sobre o planeta”.

A autarca garantiu que o município está “verdadeiramente empenhado na melhoria da qualidade ambiental do concelho” e na minimização das consequências das alterações climáticas, dando como exemplo o projecto do Parque Urbano da Várzea – “um grande e qualificado parque com 19 hectares”, vincou –, onde serão plantadas 700 árvores e 30 mil arbustos e que será criado sobre uma enorme bacia de retenção pluvial e prevenção de cheias, actualmente em construção, devendo estar concluída ainda em 2019. “Estamos, de facto, a trabalhar para que Setúbal se torne um exemplo a nível europeu na área do ambiente”, rematou Dores Meira.

 

Mostra divide-se em três partes

 

A exposição patente no Largo José Afonso até 25 de Abril já passou por Espanha com o nome “O Bosque” e cumpre agora um périplo por Portugal.

“Sensibilizar a população para a importância de aproveitar e valorizar melhor a floresta” é o objectivo da mostra, salientou o presidente honorário do conselho de administração do BPI, Artur Santos Silva.

Já o comissário Paulo Magalhães acentuou que esta é uma “exposição diferente na maneira como aborda a floresta, pois mais do que uma exposição sobre a floresta é uma exposição sobre a vida”.

A primeira parte da mostra centra-se na organização hierárquica dos diferentes níveis de vida, desde a biosfera até ao nível microscópico, e percorre os diferentes elementos que compõem e caracterizam os ecossistemas florestais e as suas dinâmicas naturais. Na segunda parte, dedicada às árvores, são explicadas as partes constituintes de uma árvore, as funções de suporte e de captação das raízes e como se expandem as florestas através das sementes. Entre as principais espécies arbóreas da Península Ibérica, encontra-se o Assobiador, em Palmela.

Na última parte da exposição, com o tema “Floresta e Ser Humano”, é explicada a evolução dos usos que as florestas tiveram ao longo da história e qual o seu papel na actualidade.

Recorde-se que a Fundação “la Caixa”, com sede em Espanha e uma das mais relevantes a nível internacional, iniciou em 2018 a sua implantação em Portugal, consequência da entrada do BPI no Grupo CaixaBank.

 

Mostra gratuita e com visitas guiadas

 

“A Floresta – muito mais do que madeira” pode ser visitada de segunda a sexta-feira das 12h00 às 14h00 e das 15h00 às 20h00 e aos sábados, domingos e feriados das 11h00 às 14h00 e das 15h00 às 20h00. A mostra também está aberta a visitas guiadas para o público em geral, de segunda a sexta-feira, às 18h00, e aos sábados, domingos e feriados, às 12h00 e às 18h00, e a visitas de grupos escolares, de segunda a sexta-feira das 9h30 às 13h30 e das 15h00 às 17h00. As marcações devem ser efectuadas através do contacto telefónico 211 216 262. A entrada é gratuita.

Comentários

- Pub -