TST vai repor três carreiras que tinha decidido suprimir

45
visualizações

Decisão foi anunciada pela Área Metropolitana de Lisboa, depois de reunião com administração da empresa de transportes

 

- Pub -

 

 

As carreiras 333, 435 e 160 dos Transportes Sul do Tejo (TST), que tinham sido suprimidas pela empresa, irão ser repostas “desde já”, anunciou na noite da passada segunda-feira, 6 de janeiro,  a Área Metropolitana de Lisboa (AML).

“A empresa Transportes Sul do Tejo (TST) irá repor, desde já, os serviços das carreiras 333, 435 e 160 que, desde hoje [6 de janeiro], tinham sido suprimidos unilateralmente”, é referido numa nota da AML divulgada ao início da noite, depois de uma reunião com a administração da empresa.

Na nota é referido que a administração dos TST “reverteu a decisão inicial” que suprimia “serviços com impacto negativo nos utilizadores dos transportes públicos e na mobilidade da região metropolitana”.

A carreira 333 faz o percurso Lisboa (Gare do oriente) – Vale Amoreira, a carreira 435 circula entre Lisboa e Samouco (via Montijo) e a carreira 160 liga Almada a Lisboa (Praça do Areeiro, via Alcântara).

Segundo o primeiro secretário metropolitano, Carlos Humberto de Carvalho, citado no comunicado, serão agendadas nos próximos dias reuniões na AML com a TST e os municípios abrangidos por estas alterações, para que, durante o mês de janeiro, paulatinamente, se reavalie o conjunto de serviços que garantam a efetivação de uma rede de transportes articulada, multimodal, que promova uma mobilidade verdadeiramente sustentável”.

Na nota lê-se ainda que a AML, “enquanto autoridade de transportes”, foi confrontada com “supressões de carreiras e alterações de horários, pela empresa TST, decididas de uma forma unilateral”.

As câmaras da Moita e do Seixal já tinham exigido a reposição de carreiras e horários nos TST, apontando que as alterações não tiveram a “autorização” da AML.30

Lusa

Comentários

- Pub -