Via Idea vai ao cinema

13
visualizações

A galeria de arte Via Idea mudou de casa até ao edifício do antigo cinema de Azeitão.

 

- Pub -

Sem sair da rua José Augusto Coelho, em Vila Nogueira de Azeitão, a galeria de arte Via Idea viajou do edifício em frente à Fonte dos Pasmados, onde agora se situa Atelier, um espaço com um conceito novo que conjuga uma “pop culture store” com um atelier de design, até ao primeiro piso do edifício do antigo cinema de Azeitão, para coabitar com o Colectivo de Valorização Artística e trazer muitas novidades.

 

“O novo espaço oferece-nos condições para fazer exposições com maior amplitude, porque também é muito maior, para receber artistas, ceder estúdios e até realizar projectos de residência artística, tendo por base um conceito muito diferente do existente no espaço anterior”, começa por dizer Raquel de Arrábida Farelo, curadora de arte da galeria Via Idea, a O SETUBALENSE – DIÁRIO DA REGIÃO. “Pretendemos que este novo espaço possa funcionar como uma incubadora de artistas, ligados à criatividade e à arte, que seja um espaço expositivo mas também um espaço de trabalho, em que se possa promover a interacção entre as pessoas”, continua.

 

A inauguração daquela que é a nova casa da galeria de arte Via Idea, no passado dia 5 de Outubro, contou com momentos de música e teatro e com a inauguração das exposições “Fitiavana Ny Fiainako Madagascar”, de fotografia, de Philippe Martignano, que tem como objectivo ajudar as crianças de Madagascar, e “Ways that are not always straight”, exposição de pintura e escultura, da autoria de Rosangela Scheithauer. Esta mostra fica patente até ao final do ano e pode ser visitada às sextas e sábados entre as 11h00 e as 13h00 e no período da tarde entre as 15h00 e as 17h00, no qual a artista está presente.

Artistas estrangeiros ajudam no desenvolvimento da arte na região

 

Rosangela nasceu no Brasil mas vive em Viena de Áustria desde 1990. Descobriu Portugal e veio até Azeitão movida pela curiosidade de conhecer os vinhos sem saber que por aqui encontraria o sítio que lhe faltava para expôr a sua arte.

 

Mais do que isso, Rosangela adoptou Azeitão como sua, pintou todos os quadros que agora expõe já numa sala do edifício do antigo cinema azeitonense, já pertence ao Colectivo de Valorização Artística e pretende mudar-se para cá quando se reformar. “Na minha primeira visita a Azeitão, entrei na Via Idea e conheci a Raquel. Conversámos, expliquei-lhe o que fazia e mantivemos contacto desde aí. Quando surgiu esta oportunidade, instalei-me no cinema e pintei cerca de 80 telas in loco. Tudo o que aqui está exposto é português”, conta.

Feita uma selecção, em exposição estão quarenta e cinco telas e mais de doze peças, a que a artista chama esculturas, com pintura sobre madeira, que mostram “caminhos que não esperamos, linhas, pontos, bolas e trilhas que não terminam”.

 

Desde o primeiro quadro da série apresentada que pintou e postou na rede social Instagram que Rosangela ainda não parou de receber elogios sobre o seu trabalho. “Tenho criatividade até em exagero. Tenho muita vontade de criar, de fazer coisas novas. Se pudesse, estava o dia inteiro a pintar”, confessa, considerando que a arte e a criatividade estão dentro de si. “Costuma-se dizer que o melhor amigo do homem é o cão. O meu melhor amigo é o pincel. Se eu estiver com um pincel na mão, estou no meu elemento”, adianta.

 

De Viena de Áustria para Portugal, tal como Rosangela, veio Ladislau, um artista português que se encontra a viver em Viena e que agora também marca presença através das suas obras no novo espaço Via Idea. É também nesta aposta em fazer a ponte entre países e artistas e em mostrar novos conceitos e artistas que se centram os planos da Via Idea a partir de agora.

 

“Neste caso, a Rosangela foi uma ponte e consideramos que esta é uma forma de desenvolver a arte em Azeitão, com estas pessoas que estão a vir de fora, de várias partes do globo, e que cada vez são mais e também estão a ajudar no desenvolvimento da arte a nível local”, diz Raquel Farelo, acreditando também na força que a arte está a ter e terá no futuro como elemento unificador de pessoas, estrangeiras e locais, em Azeitão e em toda a região.

Comentários

- Pub -