Música barroca e chocolate na Ermida de São Sebastião

53
visualizações

A proposta é ouvir música da época barroca e viajar por sabores a chocolate numa sinfonia de sensações exóticas

 

- Pub -

O Festival Sons de Outono – Música nas Igrejas de Almada avança para o seu quinto concerto. É no sábado, às 19h00, com entrada livre, na Ermida de São Sebastião, em Almada. A proposta é uma apresentação exótica e arriscada da música barroca e alguns sabores doces.

Sweet! Chocolate e a Música Barroca Francesa. Desde que o cacau chegou a Portugal, vindo da América do Sul, o chocolate tornou-se moda e desejo de posse pelos mais nobres.

A magia dos chocolatiers, que incitou a procura dos melhores ingredientes no continente americano, introduziu a arte de transformar os grãos amargos de cacau em chocolate e forneceu às cortes europeias, no mesmo período da música barroca, uma nova alegria e satisfação.

Inspirado nestes factos, este programa “deve ser apreciado como o chocolate para o nosso paladar: uma sinfonia de sensações exóticas apresentado neste período da música ocidental, num ambiente de descobertas e exuberâncias”, sugere a autarquia.

Com obras representativas de compositores como Couperin, Charpentier ou mesmo Marais, o grupo Caprice Ensemble procura trazer a Almada o sabor da época. O grupo formado pelo maestro, compositor e solista Matthias Maute apresenta-se com instrumentos da época barroca.

O Caprice Ensemble é conhecido pela abordagem inovadora e aventureira das formas de interpretação, e já fez apresentações em inúmeros festivais de prestígio, tais como o Festival Internacional Felicia Blumental, o Musikfestspiele Potsdam Sanssouci, o Regensburg, o Festival Hãndel-Festspiele ou o Festival Stockstadt.

Gravaram mais de vinte álbuns para a editora Analekta, obtiveram vários prémios e uma recomendação “brilhante” da revista Gramophone.

Durante os últimos dois anos, os Caprice Ensemble realizaram mais de 100 em cinco países em três continentes, apresentando-se em onze festivais, incluindo a América Latina, China e África.

Comentários

- Pub -