Criatividade e liberdade para todos os públicos

75
visualizações

Espectáculos em diferentes manifestações artísticas vestem a primeira edição da MATS. O objecto é desafiar autores e interpretes para performances criativas que chamem o público a abraçar a arte

 

- Pub -

 

A Mostra de Artes Performativas em Setúbal (MAPS) vai passar por vários espaços da cidade entre 11 e 18 de Julho. É a primeira edição de um evento que inclui dezenas de espectáculos de diferentes expressões artísticas.

Organizado pela Câmara de Setúbal, a MAPS é composta por performances de múltiplas manifestações artísticas, gratuitas, à exceção do espetáculo de abertura; “A Meio da Noite”, pela Companhia Olga Roriz, no Fórum Municipal Luísa Todi.

Dirigida a vários públicos, esta mostra é referida pela autarquia como um espaço em que a liberdade, a igualdade e questões de género, o consumo, o trabalho, a ocupação dos ‘não lugares’ e a corporalidade constituem alguns dos principais temas.

“Aos performers é concedida liberdade de criação, através do estímulo ao diálogo interdisciplinar e à interacção com o público num espaço comum e, nalguns casos, não-convencional do centro histórico da cidade”, refere a autarquia, acrescentado que o conceito do certame visa “promover a fruição e a valorização do património através da apresentação de espectáculos que fomentam o acesso às artes, que asseguram a diversificação, a descentralização e a difusão da criação artística e incentivam a captação de diferentes públicos”.

Com “A Meio da Noite”, no Fórum Municipal Luísa Todi, dia 11, às 22h00, a Companhia Olga Roriz homenageia Igmar Bergman, assim como aos actores dos seus filmes. Como único espectáculo pago, tem bilhetes a nove euros para a plateia e sete para o balcão.

 

Enaltecer o trabalho de artistas e criativos setubalenses

 

A MAPS prossegue a 12 de Julho, às 22h00, na Praça de Bocage, com o “Baile dos Candeeiros”, intervenção artística pela Companhia Radar 360º, que parte de um conceito de instalação plástica, associado a uma composição coreográfica do movimento dos corpos no espaço e da luz como cenário visual vivo.

Entre os objectivos da mostra está o querer “enaltecer o trabalho de artistas e criativos setubalenses, nomeadamente Inês Oliveira, Graça Ochoa, Rita Vilhena, Catarina Mota, Ricardo Mondim e os músicos que integram o projeto Um Corpo Estranho”.

No dia, 13, no Armazém de Papéis do Sado, às 22h00, Telma João Santos interpreta a performance “Perfect landscape – to let your (S)hit flows” e, meia hora depois, no mesmo local, a Companhia Erva Daninha apresenta o espectáculo de circo contemporâneo “E-nxada”, que remete para a ruralidade, a sua desconstrução e o imaginário sob um ponto de vista urbano e contemporâneo.

Dia 14 é dedicado aos mais novos, com Catarina Mota a animar o Jardim do Bonfim, às 11h00, e o Pátio do Dimas, na Casa da Cultura, às 16h00 com “Heart of a Clown”. Também na Casa da Cultura, mas na Sala José Afonso, a partir das 17h30, há “Sopa de Jerimu”, performance cénica com Graça Ochoa, da Companhia Circolando.

No dia seguinte, às 22h00, a bailarina Inês Oliveira interpreta “The Fall” e, meia hora depois, realiza-se o espectáculo multidisciplinar “Homem Delírio”, pela Companhia Passos e Compassos e acompanhado pela música da dupla setubalense Um Corpo Estranho. O local será revelado em breve.

A performance de dança “#Vibra#Dor#”, de Rita Vilhena, sobe ao palco do auditório da Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal, nos dias 16 e 17, às 22h00.

A MAPS encerra a 18, às 22h00, na Praça de Bocage, com “Insomnio”, espectáculo multidisciplinar de teatro físico, acrobacia aérea, vídeo e música, pela Companhia Teatro do Mar, em que uma cama gigante é o palco que dá lugar a uma linguagem poética e sensitiva, debruçando-nos sobre o sono e o sonho.

Comentários

- Pub -