Caminhos e locais de Zeca em Setúbal publicados em roteiro

156
visualizações
rbsh

A Associação José Afonso vai ligar os 90 anos do nascimento do poeta-cantor ao 45.º aniversário do 25 de Abril de 1974. A pr3ogramação está a ser trabalhada, mas já se destaca um roteiro sobre os caminhos e locais de Zeca em Setúbal e concertos em sua homenagem

 

- Pub -

 

Onde morou Zeca Afonso na cidade de Setúbal? Que cafés e locais mais frequentou? Quem eram os seus compagnon de route? Como atravessou o período da Revolução do 25 de Abril de 1974 em Setúbal?

São questões que terão resposta em meados de Agosto, o mais perto possível de dia 2, pelo aniversário do poeta-cantor, com a publicação do roteiro “Os lugares do Zeca na Geografia da Cidade. A ideia para este livro partiu da Associação José Afonso (AJA) que convidou Albérico Afonso, da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal, com a intensão de assinalar os 90 anos do nascimento de Zeca Afonso.

Para além desta data, João Madeira, da direcção da AJA, afirma também o objectivo de assinalar os 45 anos do 25 de Abril de 1974. Duas datas redondas que a associação quer “manter ligadas” com um programa de comemorações que passam por Setúbal e Lisboa, para além das 14 cidades portuguesas e 2 no estrangeiro onde tem núcleos.

“Zeca está entranhado na nossa terra e na memória de todos”, diz Francisco Fanhais, um dos seus companheiros mais próximos. Para além roteiro, que terá grafismo de Teófilo Duarte, o programa inclui um concerto de ar livre em Setúbal. A data e local ainda não estão definidos, mas no palco vão estar companheiros de estrada, estúdio e vida do poeta, andarilho e cantor que nasceu em Aveiro, estudou em Coimbra e foi professor em várias cidades, entre elas Setúbal.

Em 1967 começa a ligação de Zeca Afonso a Setúbal onde veio a morrer aos 57 anos, a 23 de Fevereiro de 1987. Veio nomeado professor no Liceu de Setúbal, mas só leccionou durante o primeiro período. “As elites locais e o regime fizeram com que fosse expulso. Muitos pais consideravam-no prejudicial para a educação dos seus filhos”, diz Albérico Afonso que descreve um trecho sobre o afastamento do professor Zeca: “O Dr. José Afonso é uma figura do máximo inconveniente, notório colaborador da traição à pátria, no abandono das nossas províncias ultramarinas e na destruição moral dos combatentes”.

 

Amigos e leitura foram fonte para roteiro

E daqui o roteiro que terá georreferenciação por app para telemóvel, vai passar por locais que marcaram o poeta-cantor e por ele foram marcados. Albérico Afonso adianta alguns dos mais de 40 lugares que vai referir no roteiro, devendo ser alguns deles acompanhado por fotografia. Caso dos cafés Tamar, Central e Beijamim, assim como a Tasca Secreta. Mas o local mais marcante foi o Círculo Cultural.

Fundado em 1968, sendo Zeca Afonso um dos fundadores, o Círculo Cultural fez história na cidade de Setúbal. Foi ali que muitos aprenderam a ler, foi ali que se fez oposição à ditadura, foi ali que se viveu o pós 25 de Abril de 1974 e se definiram políticas. Foi ali que ele foi professor sem nada ganhar, que sociabilizou e também teve seguidores, muitos deles jovens. Onde Zeca “foi um elemento equilibrador”, diz Alberto Afonso.

Para além do Círculo Cultural; “um dos locais mais marcantes”, o autor vai inscrever no roteiro a sede da PIDE, em Setúbal. “Foi levado lá umas 10 vezes”, conta. “Uma das vezes foram-no buscar a casa, no Quebedo, para o Bairro Salgado”, onde era a sede da polícia política da ditadura.

No roteiro vão estar ainda referenciadas as cinco casas onde Zeca morou, os caminhos que com mais frequência percorreu e também as suas canções. Tudo elementos que o autor recolheu em literatura, jornais, nos arquivos da PIDE e escritos do próprio Zeca. Também em entrevistas de quem com ele conviveu, como Carlos Tavares da Silva, Quaresma Rosa, Jorge e Carlos Luz, Henrique Guerreiro e também a mulher Zélia e a filha Helena.

Do programa constam ainda performances, exposições de capas de edições discográficas pouco conhecidas de José Afonso, mostra que será a partir de 21 de Abril, na Casa da Cultura de Setúbal, e tertúlias à volta da sua obra, a 28 de Abril e 26 de Maio. Os públicos jovens também têm acções para eles direccionadas como teatro e oficinas sobre a obra do poeta-cantor. Para ler e ouvir Zeca Afonso está marcada para 28 de Julho, na Casa da Cultura uma conferência por Octávio Fonseca.

Ainda em data a confirmar vai acontecer o Concerto de Homenagem a Rui Pato, que durante os anos 60 o acompanhou em muitas actuações pelo pais. Será em Lisboa e integra a programação a nível nacional das comemorações.

 

 

Comentários

- Pub -