Setúbal perpetua memória dos 54 que deram a vida ao serviço da Infantaria 11

70
visualizações

Comemorações do Dia do Exército 2019 prosseguiram ontem na cidade com cerimónia de descerramento da pedra e lançamento de livro

 

- Pub -

A lápide com os 54 nomes dos militares da Infantaria 11 que tombaram em combate na Grande Guerra foi, ontem, reposta no local onde havia sido originalmente afixada, em 10 de Junho de 1920, no âmbito das comemorações do Dia do Exército 2019 que decorrem até ao próximo domingo em Setúbal. O antigo Quartel de Infantaria 11, onde actualmente funciona a Escola de Hotelaria e Turismo, volta assim a evocar a memória daqueles que deram a vida ao serviço da pátria na I Guerra Mundial, entre 1914 e 1918, na sua maioria oriundos da região sadina e do Alentejo.

“Com a reposição desta lápide fica fixada na pedra a finalidade para que este edifício foi construído. Fica, acima de tudo, a homenagem à defesa da soberania de que as forças armadas são garante em tempo de guerra e em tempo de paz”, disse Maria das Dores Meira, presidente da Câmara Municipal de Setúbal, durante a cerimónia de descerramento, que se iniciou com uma breve resenha histórica a cargo do coronel António Gorrão, presidente da Assembleia do Núcleo da Liga dos Combatentes.

Para a autarca, ontem foi o dia que, em Setúbal, se recuperou a memória colectiva, “evocando, com respeito, os portugueses que perderam a vida a combater em guerra longínqua e se repôs a memória militar” num edifício que foi quartel e que actualmente é escola.

A cerimónia, que contou também com as presenças do chefe do Estado-Maior do Exército, general José Nunes da Fonseca, e de outros elementos do executivo camarário, antecedeu outro dos momentos altos das comemorações do Dia do Exército: o lançamento do livro “Santo António e o Exército”, da autoria de Augusto Moutinho Borges e Pedro Teotónio Pereira, que teve lugar no Salão Nobre dos Paços do Concelho.

 

‘Santo António e o Exército’ lançado em livro

 

A obra é sustentada num trabalho de investigação, que apresenta imagens e documentação recolhidas pelos autores, para dar a conhecer a ligação espiritual de Santo António aos militares, bem como a devoção colectiva de que é alvo nos espaços urbanos.

“Percorremos todo o País para recolher elementos que dificilmente se encontram noutra obra e hoje [ontem] apresentamos o resultado desta investigação”, disse Augusto Moutinho Borges, classificando o lançamento do livro como “um momento heroico”.

Já Pedro Teotónio Pereira aproveitou a oportunidade para lembrar que Santo António teve uma “singular carreira militar”, o que ajuda a explicar a popularidade do santo entre soldados e população civil. Apesar de nunca ter sido militar, Santo António atingiu o posto de tenente-coronel em Portugal, o que diz bem da devoção que lhe é dedicada pelas forças armadas.

A obra contém referências a Setúbal, designadamente à imagem de Santo António presente na Capela de Nossa Senhora da Saúde, que terá sido levada pelos militares para a Batalha do Viso, durante a Guerra Civil, travada a 1 de Maio de 1847.

O Dia do Exército 2019, organizado em parceria com a Câmara Municipal de Setúbal, dinamiza, ao longo de nove dias, várias iniciativas gratuitas, dirigidas à população em geral e às escolas, no Largo José Afonso, na Avenida Luísa Todi e no Parque Sant’Iago.

 

Cerca de dois mil militares em acção na cidade

 

O Largo José Afonso e a zona poente da Avenida Luísa Todi recebem, até ao próximo domingo, entre as 10h00 e as 22h00, “demonstrações e exposições das múltiplas capacidades e valências militares do exército português, com mais de duas dezenas de áreas de interesse”, lembra a Câmara Municipal. “A iniciativa, que envolve perto de dois milhares de militares nas várias acções”, proporciona ainda, gratuitamente, no recinto instalado na Avenida Luísa Todi, entre as 9h00 e as 13h00 e das 14h00 e às 18h00, actos médicos e veterinários”, adianta a autarquia.

Sábado e domingo haverá manobras com a movimentação de veículos de grande envergadura, incluindo alguns com lagartas, e de tropas, com disparos, salvas e granadas de fumo, às 9h00, às 12h00 e às 16h00, “numa ação de treino para a cerimónia militar, o ponto alto das comemorações, que se realiza no domingo, às 12h00, no Largo José Afonso, com a participação de cerca de três centenas de militares”. Outro dos pontos altos das comemorações é “uma celebração eucarística na Igreja de São Julião, domingo, às 10h30, com transmissão em directo na RTP1”, remata a edilidade.

Comentários

- Pub -