Seixal recebe Concurso Internacional de Composição para Guitarra

54
visualizações

A iniciativa pioneira a nível mundial já tem inscritos dezenas de candidatos de 22 países e 3 continentes

 

- Pub -

O Seixal vai receber o 1.º Concurso Internacional de Composição para Guitarra, entre 10 e 18 de Janeiro do próximo ano. Trata-se da primeira iniciativa do género que se realiza em Portugal, e conta com um júri composto por números sonantes: o compositor António Victorino d’Almeida, o professor e concertista Artur Caldeira, o músico sérvio Dusan Bagdnovic, o brasileiro Marco Pereira, guitarrista e arranjador, os académicos Eduardo Fernández, do Uruguai, e Eduardo Isaac, da Argentina.

“Queremos que este concurso seja percursor de outros projectos que possamos concretizar, pois desejamos que, no Seixal, a cultura seja para todos!”, declarou Manuela Calado, vereadora do pelouro da Cultura da Câmara do Seixal.

“Ao longo dos 45 anos do Poder Local Democrático, temos trabalhado com os nossos parceiros para tornar a cultura acessível a todos, sendo este concurso mais uma nossa aposta no campo da democratização da cultura. Além disso, como o Município do Seixal fez jus ao prémio de Melhor Programação Cultural Autárquica, queremos honrar essa distinção”, acrescentou.

Altíssimo nível cultural

Por outro lado, Litó Godinho, pensador e guitarrista português, director artístico e pedagógico do concurso em questão, sublinha que se está perante um “evento de altíssimo nível cultural em prol da criação, inédito em Portugal, mas também único a nível mundial, tanto pela qualidade dos jurados, como pelos prémios aliciantes e pela adição das componentes pedagógica, artística e informativa”.

Litó Godinho, que é natural de Almada, diz-nos que “o êxito do concurso está garantido”, visto que se ter alcançado já “os oitenta por cento do limite de obras aceite, no total de oitenta, com candidatos oriundos de 22 países e 3 continentes”. Vem a propósito lembrar que o prazo para as inscrições no concurso se esgota no dia 10 de Novembro.

No mesmo sentido se pronunciou o concertista e professor de guitarra na Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo Artur Caldeira. “Uma das mais-valias deste concurso é ser ele aberto a compositores que podem não ser guitarristas. Trata-se, pois, de um evento arrojado que o Seixal soube apadrinhar, concorrendo assim para chamar a atenção dos novos compositores para este nobre instrumento e dar continuidade ao contributo iniciado no século passado por Andrés Segovia”.

 

José Augusto

Comentários

- Pub -