S. Sebastião inaugura pavilhão de entusiasmo e ambição

49
visualizações

Centenas de pessoas testemunharam o ambiente de entendimento e cumplicidade entre Dores Meira e Nuno Costa. Presidente da Junta brilhou ao lado da presidente da Câmara

 

- Pub -

 

A inauguração do novo Polo Operacional da Junta de Freguesia de São Sebastião, nos terrenos onde funcionou a Secundária N.1, no Monte Belo, em Setúbal, foi um momento de afirmação de entusiasmo e ambição da autarquia presidida por Nuno Costa, com o autarca a protagonizar cenas de grande cumplicidade com Dores Meira.

A presidente da Câmara, em fim de mandato, deixou brilhar o autarca, a quem estendeu o tapete vermelho da sua invulgar popularidade atribuindo a Nuno Costa o estatuto de amigo e atribuindo elevada classificação às suas capacidades e resultados.

“Tenho de começar pela felicitação que se impõe ao executivo da Junta de Freguesia de São Sebastião e ao seu presidente, meu amigo e camarada Nuno Costa que, uma vez mais, demonstra nesta obra a qualidade e a mais-valia do trabalho que está a realizar à frente desta autarquia.”, começou por dizer Dores Meira.

O louvor da autarca à prestação de Nuno Costa chegou ao grau de “magnífico trabalho”.

A presidente da Câmara apontou as novas instalações da junta, que o município apoiou com a doação do terreno e 50 mil euros para a construção do futuro auditório, como fruto da “aposta autárquica” que tem sido feita em Setúbal.

O reforço da capacidade operacional da freguesia decorre, segundo Dores Meira, da descentralização que tem vindo a ser “praticado e aperfeiçoado” há 15 anos e que dá “cada vez mais dividendos”, como a “capacidade de intervenção autárquica na resolução de problemas” mais “rápida e eficaz” e um “intensa proximidade com as populações”.

A descentralização do município para as freguesias tem sido uma oportunidade que os presidentes das juntas “têm sabido agarrar muito bem”. O desafio actual para as autarquias de Setúbal, de acordo com a autarca, é reforçar a ligação às pessoas.

“Queremos, com as juntas sempre que é necessário fazer uma qualquer obra em qualquer bairro ou rua, sempre que é necessário fazer alterações com impacto na vida das pessoas, ampliar a prática de realizar reuniões para ouvir as opiniões das pessoas, estimulando, assim, verdadeira participação cidadã, olhos nos olhos.”, disse Dores Meira.

Antes, a presidente da Câmara e o presidente da Junta partilharam o momento do descerramento da placa, e Nuno Costa, que discursou primeiro, já tinha tido oportunidade de destacar a “visão apurada” de Dores Meira.

“Uma visão que tem como base uma partilha de poder, consubstanciada numa expressiva delegação de competências do município para as freguesias. Este modelo de transferência de poderes, pouco comum noutros concelhos do país, tem permitido um progresso imenso na qualidade dos serviços prestados à população, devido à proximidade acrescida, que possibilita uma maior rapidez e eficiência na resolução de problemas. Aliás, sempre que está em causa o bem-estar da população, a nossa presidente não se perde em discussões de poderes.”, disse o presidente da Junta.

A actuação de Deolinda de Jesus, antes do beberete servido pela Escola D. Manuel Martins, aqueceu o ambiente que chegou ao rubro com a Marcha do Vitória. Dores Meira puxou Nuno Costa para a dança e, pouco depois, a sala estava transformada num ensaio para a marchas populares, com muita gente a participar na dança dos autarcas.

Foi de tal forma que, no final, em jeito de despedida, um autarca da oposição da freguesia segredou para o repórter: “já tem titulo para a notícia: a dança do poder”.

 

 

Oficinas agora, auditório depois e sede da Junta no futuro

O polo operacional que a Junta agora inaugurou é a primeira fase de um processo de construções de instalações que vai prosseguir com um novo auditório para 250 pessoas, e cuja edificação “deverá ocorrer durante o próximo ano” e uma nova sede da autarquia posteriormente. “Numa terceira e última fase deste projeto está ainda prevista a implementação, neste mesmo terreno, de uma nova sede da Junta de Freguesia, projeto que seguramente não se realizará neste mandato e que ainda não tem data prevista de execução”, explicou Nuno Costa.

O edifício inaugurado, de 600 metros quadrados, é uma construção moderna e ambientalmente sustentável, em que predomina a madeira, que vai albergar todos os serviços operacionais da Junta, como higiene urbana, espaços verdes, serralharia, obras públicas e mecânica automóvel, e, segundo o autarca, “vai permitir servir melhor a população, através do aumento da produtividade e do tempo de resposta deste setor e oferecer também melhores condições de trabalho aos trabalhadores”.

Comentários

- Pub -