Mútua dos Pescadores: mais de 75 anos ao serviço das comunidades piscatórias

55
visualizações

A primeira e única cooperativa de seguros portuguesa destaca a importância do reconhecimento do papel que os pescadores têm na economia e na sociedade portuguesa

 

- Pub -

 

Entre as várias entidades que se unem em mais uma edição da Semana do Mar e do Pescador está a Mútua dos Pescadores. Com mais de 75 anos de história, conhece bem o mar e as suas gentes um pouco por todo o país, contando com experiência no sector das pescas mas também noutras actividades marítimas, das quais são exemplo a náutica de recreio, marítimo-turística, pesca desportiva e o mergulho, sem esquecer que no ano de 2006 o sector cooperativo e social tornou-se também uma aposta.

 

“Nas comemorações do Dia do Pescador deste ano, a Mútua dos Pescadores associa-se às autarquias e às associações do sector, e também ao jornal O SETUBALENSE – DIÁRIO DA REGIÃO, numa saudação especial aos profissionais da pesca da região de Setúbal em particular”, refere Ana Teresa Vicente, directora geral da Mútua dos Pescadores, “estendendo o abraço a todos os pescadores, famílias e comunidades, afirmando-nos como o porto seguro que queremos continuar a ser para este sector”.

 

A directora geral daquela que é “a primeira e única cooperativa de seguros portuguesa” explica ainda que “após décadas de experiência e de liderança nos seguros para a pesca, uma das actividades profissionais de maior risco, protegendo os profissionais e as suas embarcações, a Mútua dos Pescadores abriu em 2000 as suas portas a outras actividades náuticas, e. do mar para a terra, disponibiliza ainda seguros para o lar, empresas, voluntários, organizações do sector cooperativo e social, entidades públicas, entre outros”. Sendo “o único segurador português sob a forma de cooperativa de utentes de seguros”, a responsabilidade assumida pela seguradora é, nas palavras de Ana Teresa Vicente, “ainda maior, trabalhando com sentido de serviço às comunidades”.

 

A Mútua dos Pescadores celebra, por isso, “a festa por excelência das comunidades piscatórias”, estando ao seu lado, bem como ao das suas organizações e instituições, para assinalar este dia, “cabendo-nos a todos trabalhar para que o reconhecimento do papel dos profissionais da pesca na economia e na sociedade portuguesa se reflicta na melhoria das condições de trabalho e de segurança e na dignificação da profissão”, remata.

Comentários

- Pub -