Manteigadas agoniada com mau cheiro desconhecido

176
visualizações

Não é raro a cidade de Setúbal acordar com o cheiro desagradável a que a população chama de Socel. Mas na zona das Manteigadas há meses que se sente um cheiro mais intenso e que será de origem desconhecida. O presidente da Junta de Freguesia de S. Sebastião diz que o caso está a ser investigado

 

- Pub -

Vários moradores das Manteigadas, em Setúbal, queixam-se de um mau cheiro quase persistente e, dizem, “de origem desconhecida”. Trata-se de uma zona nos limites da cidade onde é comum pairar um cheiro desagradável que, comummente, é atribuído à fábrica de papel da Portucel, antiga Socel.

“Este não é cheiro a Socel, é muito pior. Cheira a urina ou peixe podre”, diz Carla Amaral, proprietária do Café Nova Era, que desconfia que este odor pestilento poderá vir de uma estação de águas perto desta zona urbana, ou de alguma unidade fabril. “Normalmente o mau cheiro começa ao fim da manhã e vai até meio da tarde”, acrescenta.

O mesmo diz Ana Paula Valongo que já chegou ao ponto de andar com um ramo de hortelã para “disfarçar o mau cheiro”, explica. Outra moradora na zona, Judite Pessoa, também se questiona de onde virá aquele cheiro, o certo é que parece ser mais intenso conforme a direcção dos ventos. Ao que referem, este incómodo terá começado “há cerca de quatro meses”, identifica Carla Amaral.

Ainda sem terem questionado a Junta de Freguesia de S. Sebastião para os ajudar a detectar a origem e encetar medidas para acabar com esta morrinha , os moradores afirmam estar a preparar um abaixo-assinado para entregar ao presidente da Junta, Nuno Costa. “Ainda não entregámos as assinaturas, mas vamos fazê-lo hoje ou amanhã”, calcula Carla Amaral que, estando no café, diz ouvir, diariamente, as queixas de dezenas de pessoas. Portanto não é caso localizado apenas naquele ponto da localidade.

Contactado por O SETUBALENSE – DIÁRIO DA REGIÃO, o presidente da Junta de Freguesia de S. Sebastião, Nuno Costa, diz desconhecer a fetidez de que os moradores das Manteigadas se queixam e, para verificar por si próprio, afirma ter-se deslocado de propósito ao local. Aliás, o autarca afirma que, diariamente, atravessa aquela zona entre casa e o edifício da Junta, e nunca se apercebeu de nada de anormal.

Refere o autarca que no local já estiveram técnicos da Câmara de Setúbal e “não detectaram nenhuma anomalia”, inclusivamente, chegou a ser pensada a hipótese deste odor ter origem numa estação elevatória de águas que existe na zona, mas “nada concluíram”. Contudo, comenta que se a população se queixa alguma razão tem, e lamenta não ter sido ainda contactado por quem ali reside sobre este assunto.

“Não podemos levantar suspeitas ao acaso”, afirma o autarca que vai agora “formalizar por escrito a queixa dos cidadãos para a Câmara de Setúbal”.

 

Foto – Mário Romão

Comentários

- Pub -