Glórias da Polónia atracam no Sado

78
visualizações

Na 5ª edição da Semana do Mar os navios contam a história desde os Descobrimentos aos desafios da navegação contemporânea

 

- Pub -

O veleiro-escola Fryderyk Chopin, cuja denominação homenageia o clássico músico também de origem polaca, marca presença em Setúbal, na 5ª edição da Semana do Mar Setúbal 2019. Se a ausência do português Navio-Escola Sagres estava a deixar os apaixonados pelas glórias dos mares mais reticentes, a presença do Fryderyk promete não deixar ninguém indiferente. As visitas estão disponíveis entre os dias 26 e 28 de Setembro.

O veleiro desenhado pelo famoso arquitecto Zygmunt Choren desloca 306 toneladas e mede 55 metros de longitude, por 8,50 metros de boca, com dois mastros nos quais é possível içar 1200 m2 de velas.

Construído em Gdansk, pelo estaleiro de construção naval Dora, o veleiro foi lançado à água em 1992. Actualmente, é propriedade da Escola Superior de Direito e Administração de Varsóvia, na Polónia. A bordo o Fryderyk pode receber 50 pessoas, entre membros da tripulação, estagiários e visitantes.

Também de origem polaca a barquentina Pogoria, chega ao Cais 2 da frente ribeirinha no dia 28 e estenderá a ponte para receber visitantes.

Pogoria foi também projectado pelo arquitecto naval Zygmunt Choren e lançado ao mar em 1980. Integra uma série de veleiros contemporâneos de médio e grande porte, construídos na mesma época em Gdansk, na Polónia.

 

Descobrimentos de Portugal a Espanha

 

Ao longo da Semana do Mar também marca presença em Setúbal a nossa caravela Vera Cruz. Esta réplica idêntica dos barcos utilizados durante os Descobrimentos foi construida no ano 2000, no Estaleiro Naval de Vila do Conde. Na época o projecto destinou-se a assinalar os 500 Anos do Descobrimento do Brasil.

Hoje a caravela é utilizada para treino de vela e experiências de mar. As vistas também estão disponíveis entre os dias 26 e 28.

Nos mesmos dias o Galeão Andalucía marcará presença, como réplica dos navios usados pelos espanhóis durante os séculos XVI a XVIII, nas expedições marítimas entre Espanha, América e Filipinas – as Frotas das Índias.

Comentários

- Pub -