Utentes do Posto de Correios do Bonfim desesperam por atendimento

109
visualizações

Com uma espera de várias horas, utentes queixam-se da falta de funcionários a atender. Merilda Medeiros, gerente da estação em Setúbal, afirma que resolver a situação não está ao seu alcance

 

- Pub -

As muitas horas de espera no atendimento dos serviços do Posto de Correios do Bonfim, em Setúbal, nos últimos dias, levam à frustração dos utentes. Ontem de manhã, por volta das 11 horas, altura em que a reportagem de O SETUBALENSE esteve no local, após queixas de utentes que tinham relatado um cenário anterior ainda mais complicado, da senha 56 para a 138 no atendimento geral, eram 82 números de espera.

 

Dezenas de pessoas aguardavam desesperadas para serem atendidas pelas duas funcionárias que se encontravam ao serviço. Os utentes esperam, alguns de pé, outros na rua, sentados nas cadeiras ou até mesmo no chão, e muitos acabam por desistir.

 

Com quase cem senhas de espera, Rui Nobre aguardou cerca de uma hora para ser atendido. “Já cá tinha estado na segunda-feira. Esperei uma hora da parte da manhã e meia-hora da parte da tarde”, afirma. Acabou por desistir pois tinha o filho em casa e tinha de comparecer ao trabalho. Para Rui Nobre, “o serviço dos correios é mau. Deviam de arranjar outro sistema de funcionamento”. “Tive de cá vir porque o carteiro não me deixou a encomenda em casa. Era uma coisa tão simples de fazer que se transformou nesta situação”, justifica o utente.

 

Porém, para Isilda Gregório “esta situação é normal acontecer”. “É a altura de as pessoas receberem as reformas. A demora acontece porque a população mais velha tem prioridade. Todos os meses quando cá venho nesta altura espero cerca de meia-hora para receber a pensão do meu pai”, revela. Para a utente, “o funcionamento dos CTT no resto do mês é bom”.

 

Gerente justifica situação

 

Para Merilda Medeiros, gerente do Posto de Correios do Bonfim, a resolução do problema na demora de atendimento não está ao seu alcance. “Nos dois anos e meio em que assumi o cargo esta situação tem vindo a ser frequente”, revela. A gerente afirma que o atraso nos atendimentos estão a acontecer pois “ainda há pessoas de férias, dois funcionários estão de baixa e um outro está de luto. Acontece aqui como acontece no resto dos serviços dos CTT”, comenta.

 

Sem condições para contractar mais funcionários, diz a responsável pelo posto que, neste momento, “estão dois funcionários a querer abandonar funções, mas não o podem fazer pela falta de substitutos. Só se podem contar com as pessoas que cá estão”. Para Merilda Medeiros, a “situação para a semana irá melhorar bastante. Na segunda quinzena do mês a situação já nem se compara. São ocorrências pontuais que acontecem”.

 

Relativamente ao tempo de espera “os clientes simplesmente devem de tirar senha e aguardar pela sua vez para a prestação do serviço pois são estas as condições que conseguimos oferecer. Não há funcionários para meter nestes dias”, afirma por último.

Comentários

- Pub -