Diogo Prates é cabeça-de-lista pelo Iniciativa Liberal

57
visualizações

Saúde, transportes e segurança são três áreas prioritárias a melhorar, defende o candidato

O partido Iniciativa Liberal (IL) apresenta Diogo Prates, 36 anos, médico, como cabeça-de-lista pelo círculo de Setúbal às legislativas de 6 de Outubro deste ano.
Nos primeiros lugares da lista pelo distrito – que foi entregue no Tribunal da Comarca de Setúbal na última segunda-feira – seguem-se, respectivamente, Carina Crucho, Miguel Ferreira, Beatriz Silva e Joana Cordeiro.
“Assumimos um compromisso para com as pessoas da nossa terra, queremos um distrito com mais oportunidades para todos, com melhor saúde, melhores transportes e mais segurança”, revela o cabeça-de-lista em nota de Imprensa, considerando que “durante 40 anos o distrito de Setúbal esteve esquecido” e que “este é o tempo certo para mudar”.
A mudança, porém, “não se faz com os mesmos de sempre”, faz notar Diogo Prates, adiantando que “são precisos novos protagonistas na vida política, pessoas que não dependem da política para viver, que têm carreiras bem estabelecidas mas que acreditam no futuro de Portugal e de Setúbal”.
“Queremos que o distrito de Setúbal deixe de ser o quarto mais pobre do país e o terceiro em número de beneficiários de rendimento social de inserção. Queremos atrair mais investimento externo e nacional, retomar a subconcessão a Soflusa e alargar a ADSE a todos os portugueses”, afirma. “Esta maioria prometeu construir um novo hospital e falhou, reverteu a subconcessão da Soflusa e o que se seguiram foram dias de tormento para os passageiros”, acrescenta o médico, sublinhando que “é preciso mudar de rumo, por Setúbal e por Portugal”.
Recentemente uma comitiva do partido reuniu-se com Nuno Maia, director-geral da AISET, iniciando um ciclo de auscultações com várias associações empresariais da Península de Setúbal. Em pré-campanha, os candidatos do partido também já visitaram o Segundo Torrão, no concelho de Almada, num bairro onde habitam cerca de duas mil pessoas em condições precárias.

Comentários

- Pub -