Eleições Europeias – PS ganha em todos os concelhos do distrito

Os socialistas limparam tudo de uma ponta a outra, vencendo nos 13 concelhos da região. BE e PAN com subidas vertiginosas. MPT desapareceu

135
visualizações

PS 34,75%, CDU 16,91%, BE 11,83%, PSD 10,40%, PAN 6,65%, CDS 3,79%

 

VEJA AQUI RESULTADOS FINAIS NO DISTRITO E EM CADA UM DOS 13 CONCELHOS

- Pub -

É preciso recuar até às Eleições Europeias de 2004 para encontrar resultado idêntico dos socialistas no distrito como o de ontem com um triunfo em todos os concelhos da região. A vitória em termos globais (33,46%) do PS também teve reflexo no distrito sadino, onde o triunfo até foi ligeiramente superior (34,70%) ao resultado global.

O PS tinha registado 28,78 pontos percentuais em 2014 e conquistado então a vitória em sete dos 13 concelhos, com um total de 74.212 votos, menos 645 do que os alcançados pela CDU. Agora terá mesmo ultrapassado esta marca.

A CDU, com apenas 16,85%, caiu com estrondo, passou para segunda força política na região, perdendo mais de 12 pontos percentuais comparativamente com as eleições de há cinco anos, o equivalente a uma perda à volta de metade dos votos conquistados. Ao mesmo tempo perdeu os seis concelhos em que havia vencido (Alcochete, Barreiro e Moita a juntar aos três do litoral alentejano, Alcácer do Sal, Grândola e Santiago do Cacém).

Os comunistas foram como que “canibalizados”, sobretudo à esquerda, com um crescimento vertiginoso do Bloco de Esquerda (BE) que quase duplicou a votação, galgando de quinta para terceira força na região. Ainda melhor fez o PAN ao passar de 2,24% para os agora 6,67, quase que triplicando o resultado registado nas Europeias anteriores.

Agora a solo, o PSD, que em 2014 havia concorrido coligado com o CDS, baixou para quarto partido mais votado no distrito. Ainda assim, se se somar o resultado dos social-democratas ao do CDS verifica-se que o total não sofreu alteração significativa.

Nota ainda para o facto de o MPT, que havia conquistado 6,24% em 2014 que lhe valera a quarta melhor votação na região, ter agora “desaparecido” do mapa.

A abstenção voltou a ser elevada no distrito – com 64,93% –, desta feita com Sines a trocar com Montijo no que concerne ao concelho da região a registar maior valor neste particular (71,47%).

Estes resultados foram considerados até às 23h30, quando ainda faltavam apurar 9 freguesias no distrito. MRS


 

No plano nacional

Vitória do PS com subida do BE e surpresa do PAN

PSD e CDS-PP são derrotados, assim como a CDU, que cai muito

O PS é claramente o vencedor das eleições europeias no que diz respeito ao total nacional, tendo subido um pouco a votação comparativamente a 2014 e, sobretudo, aumentado muito a diferença para o PSD.

O conforto da vitória socialista sobrevive mesmo quando se somam os resultados de PSD e CDS-PP, que concorreram separadamente este ano, e ficaram acima do que conseguiram há 5 anos. Em 2014, a coligação PSD/CDS-PP obteve 27,6% e o PS 31,4%. A vitória do “poucochinho” conseguiu uma vantagem de 3,8%. A margem este ano aumenta para mais de cinco pontos percentuais.

No plano nacional, a CDU cai bastante, quase para metade do resultado de 2014. De 12,6% dos votos, a coligação passou a 6,7%, perdendo um ou até dois dos seus três eurodeputados.

A maior surpresa da noite foi a subida do PAN, que elegeu pela primeira vez um deputado ao Parlamento Europeu. A subida chegou a ser apontada, pelas projecções, como ainda maior, dando o PAN à frente do CDS-PP, mas tal acabou por não confirmar-se.

Entre os mais pequenos, o estreante Aliança, de Pedro Santana Lopes, ficou longe de eleger Paulo Sande, o Livre continuou arredado da Europa e o MPT passou de dois eurodeputados a não ter qualquer eleito no Parlamento Europeu.

À hora de fecho desta edição (23:30) ainda não estavam distribuídos os 21 eurodeputados eleitos por Portugal. A distribuição ficará dentro destes imites: PS (6 a 9), PSD  (4 a 7), BE (1 a 3), CDU (1 a 2), CDS-PP (1 a 2), PAN (1 a 2). FAR

Comentários

- Pub -