Greve da TST com adesão superior a 90%

53
visualizações

No último dia de greve da Transportes Sul do Tejo (TST), por aumentos salariais, regista-se uma adesão entre 90% e 95% e a supressão de carreiras entre Setúbal e Lisboa, segundo o sindicato. Contudo a empresa aponta para 77% de adesão à greve.

- Pub -

“Nesta manhã a greve está a ter uma adesão de 90% a 95%. Estão meia dúzia de autocarros a funcionar com trabalhadores contratados a prazo que estão numa situação de fragilidade e, apesar de gostarem de estar junto dos seus camaradas, perante a sua situação profissional não arriscaram”, disse à Lusa João Saúde, da Fectrans – Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações.

Segundo o sindicalista, a elevada participação dos trabalhadores fez com que nesta manhã “não tenha sido efetuada nenhuma carreira [de autocarros] entre Setúbal e Lisboa”, além de um “grande impacto” em todas as áreas em que a TST opera, na península de Setúbal.

Já os dados da empresa são diferentes, apontando para uma adesão de “77,8% dos colaboradores”.

Também no domingo, no primeiro dia de greve, houve divergências entre os dados apresentados, uma vez que o sindicato deu conta de uma adesão entre 90% e 95% e a empresa falou em 61%.

Segundo João Saúde, perante a exigência de um aumento salarial para 750 euros, a TST avançou com uma contraproposta “de um aumento para 685 euros de salário base” e da adoção de um sistema de “folgas rotativas para os trabalhadores que não folgam ao sábado e ao domingo”.

De acordo com o sindicato, à semelhança das greves realizadas em março e abril, entre os motivos que levaram à convocação da atual paralisação estão o aumento de salários e a sobrecarga horária.

A TST, detida pelo grupo Arriva, desenvolve a sua atividade na península de Setúbal, com 190 carreiras e oficinas em quatro concelhos, designadamente Almada, Moita, Sesimbra e Setúbal.

Lusa

Comentários

- Pub -