26 Janeiro 2021, Terça-feira
- PUB -
Início Regional PCP pediu investimento nas escolas públicas e recebeu ‘silêncio’

PCP pediu investimento nas escolas públicas e recebeu ‘silêncio’

O parque escolar da região está “degradado”, diz o PCP que já reuniu com o ministro da Educação onde apontou várias escolas. “Infelizmente o Governo não prestou os esclarecimentos que se impunham”, dizem

 

- PUB -

 

O PCP mediu o pulso ao investimento nas escolas públicas no distrito de Setúbal, questionou o ministro da Educação e pediu mesmo um reforço de verba. Mas nem todas as perguntas tiveram resposta, nem houve compromisso para requalificação nem construção de pavilhões desportivos, o que leva os deputados comunistas a considerarem que existe “desinvestimento” neste sector que se está a reflectir na “degradação” do parque escolar da região.

“Necessidade de realização de intervenções de requalificação de escolas e necessidade de reforço dos equipamentos públicos”, lê-se em nota de imprensa onde o partido da ‘gerigonça’ entende que “há investimentos que não podem continuar a ser adiados e que exigem uma resposta do Orçamento de Estado para 2019”.

- PUB -

Neste leque investimentos integram cerca de duas dezenas de escolas do distrito, umas a serem requalificadas outras a aguardar conclusão de empreitada e uma a construir.

Na audição na Assembleia da República no âmbito da discussão da especialidade da proposta de lei do OE, o PCP lembrou Tiago Brandão Rodrigues a “necessidade de se proceder à requalificação das instalações de escolas que continuam sem qualquer solução como são a Escola Secundária Fernão Mendes Pinto (Almada), a EB 2,3 Paulo da Gama (Seixal); EB 2,3 El-Rei D. Manuel I (Alcochete), EB 2,3 Azeitão, do Bocage e Aranguez e da ES Bocage (Setúbal)”. Asseveram os comunistas que estas são escolas cujas instalações “estão bastante degradadas e que exige uma intervenção urgentemente”.

Questionaram ainda o Governo sobre a data de conclusão das empreitadas nas Escolas Secundárias João de Barros e do Monte da Caparica. “Estamos no último ano desta legislatura e a situação destas escolas ainda estão por resolver. São oito anos lectivos em que os estudantes têm aulas em contentores”.

- PUB -

A falta de pavilhões desportivos esteve também na agenda do PCP que enumerou a Escola Secundária de Palmela, EB 2,3 Poceirão (Palmela), Escola Secundária Manuel Martins, EB 2,3 Azeitão (Setúbal), EB 2,3 Cruz de Pau, Corroios, Pinhal de Frades e a de Vale Milhaços (Seixal).

“Infelizmente o Governo não prestou os esclarecimentos que se impunham”, criticam referindo que a única excepção foram as intervenções nas Escolas Secundárias João de Barros e do Monte da Caparica, mesmo assim “nada foi dito sobre o prazo de conclusão das obras”.

Sobre a construção da Escola Secundária na Quinta do Conde que “há muito é reivindicada pela comunidade educativa, pelas autarquias e pela população da Quinta do Conde, e sobre a qual foi aprovada uma Resolução da Assembleia da República, o Governo não diz uma palavra”, queixa-se o PCP.

- PUB -

Mais populares

Bombeiros do Montijo recebem quase 9.500 euros

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Montijo vai receber 9.499,99 euros da Câmara Municipal para a aquisição de equipamentos de protecção individual. O executivo...

Pandemia obriga Agrupamento de Escolas Lima de Freitas a suspender aulas presenciais em 20 turmas

No espaço de três dias duas das grandes escolas de Setúbal viram-se obrigadas a tirar turmas de aulas presenciais. O fecho das escolas ganha...

Covid-19. Hospital de São Bernardo recebe estruturas de apoio do INEM

Tendas colocadas no parque de estacionamento do Hospital de São Bernardo, não vão ser utilizadas como hospital de campanha, mas sim para apoio complementar...
- PUB -