Francisco Lopes confiante no programa eleitoral CDU para travar maioria PS

18
visualizações

Programa eleitoral da CDU defende salário mínimo de 850,00 Euros até 2023 para solucionar crise social

 

- Pub -

Depois de uma pré-campanha com “atenção e receptividade” por parte dos trabalhadores e população em geral, Francisco Lopes, primeiro candidato CDU pelo círculo eleitoral de Setúbal às Legislativas, avança focado na “emergência nacional” do aumento do salário mínimo e médio.

Centralidade no programa eleitoral da CDU, a candidato assume esta medida como essencial para o equilíbrio económico e social da região e do país.

Para Francisco Lopes, desta medida dependerá a concretização de outras, que também integram o programa do partido nas Eleições Legislativas: valorização de carreiras; aumento geral e real das reformas; reforma por inteiro e sem penalizações com 40 anos de desconto; reposição da idade de reforma aos 65 anos; e nas políticas de apoio às famílias a de creches para todas as crianças.

Para que as propostas do programa CDU sejam concretizáveis, o candidato apela à mobilização para o voto no dia 6 de Outubro, “de modo a travar a abstenção e uma possível maioria absoluta, ambicionada pelo PS”.

 

Salário mínimo, a estratégia nacional

 

“Consideramos como emergência o aumento geral de salários para todos os trabalhadores, incluindo o salário médio. Por isso, colocamos força na nossa proposta de aumento do salário mínimo nacional para 850,00 Euros”, reafirma Francisco Lopes.

Se a meta será concretizável já a partir de Janeiro? O candidato assume claramente, “não estamos à espera disso, mas sabemos que é possível ao longo do próximo mandato”.

Quanto ao papel desta medida na governança do país será “a estratégia nacional para redistribuir riqueza e garantir que, quem trabalha não vive no limiar da pobreza”.

Segundo Francisco Lopes, “o aumento do salário mínimo ligará com a capacidade do país para combater a imigração, combater a baixa natalidade, estimular o poder de compra e consequente desenvolvimento económico. Garantindo ainda a sustentabilidade da Segurança Social devido a melhores receitas, o que por sua vez levará também a pensões mais elevadas”.

Quanto à empregabilidade nas Pequenas e Médias Empresas (PME) face a esta perspectiva de aumento salarial, Francisco Lopes não considera que esteja em risco. “Pelo contrário. Maiores salários permitiram mais consumo e mais lucros”.

 

“Temos mais vitalidade do que nunca”

 

Quanto a expectativas sobre os resultados a obter no dia 6 de Outubro e tendo em conta o resultado das Autárquicas 2017 e Europeias 2019, com a CDU a apresentar descidas significativas em ambas, face a outras forças da esquerda, Francisco Lopes não considera que o partido esteja a perder terreno.

Uma consideração que leva o candidato a afirmar, “estamos ‘anos-luz’ à frente de outros partidos e não consideramos que tenhamos perdido representação nos últimos anos, pelo contrário, temos mais vitalidade do que nunca”.

 

Direitos iguais em destaque no programa CDU

Francisco Lopes marcou presença na sessão “Participação social e política das mulheres: condição de igualdade, progresso e democratização do País”, que teve lugar na Arrentela, no Seixal.

Na mesma sessão, Paula Santos, deputada e segunda candidata na lista da CDU por Setúbal, realçou o facto de “as mulheres representarem 52% da lista, em maioria e bastante acima do legalmente obrigatório”.

Comentários

- Pub -