Carlos Jorge de Almeida questiona presidente que responde com envio de abraço

73
visualizações

Investimento revelado por Nuno Canta a O SETUBALENSE – DIÁRIO DA REGIÃO gera discussão. O vereador da CDU requereu informações sobre o interesse de um grupo alemão na criação de um parque empresarial no Seixalinho. O presidente da autarquia confirmou contactos exploratórios e remeteu esclarecimentos para mais tarde, prometendo apenas um abraço ao comunista

 

- Pub -

O anúncio do presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, a O SETUBALENSE – DIÁRIO DA REGIÃO, sobre o interesse de um grupo alemão na criação de um parque empresarial na zona do Seixalinho marcou a reunião do executivo realizada na última quarta-feira, nos Paços do Concelho, com o vereador da CDU Carlos Jorge de Almeida a requerer por escrito explicações ao socialista. A discussão acendeu e durou quase uma hora.

O comunista solicitou nota de todos os contactos exploratórios que foram mantidos com o município, lançando mão das declarações proferidas por Nuno Canta e publicadas na edição de sexta-feira passada que davam conta do interesse das marcas germânicas Siemens e Bosh em instalarem-se no Montijo.

“Neste momento posso mandar-lhe uma coisa escrita a dizer: ‘um grande abraço do presidente ao vereador Carlos Almeida’, porque não posso responder concretamente a nada disso que está a perguntar”, respondeu o presidente da autarquia, adiantando: “Basta o senhor ler o jornal que fica com tudo escrito, o que quer. Quando tivermos os elementos concretos, então diremos ao senhor vereador.”

Nuno Canta confirmou a existência de contactos exploratórios, sublinhando que o interesse existe mas que não há qualquer situação concretizada, de forma a poder fornecer quaisquer outros detalhes ao vereador. Carlos Jorge de Almeida não gostou e lamentou o tipo de resposta apresentada pelo socialista “a um vereador eleito pelo povo”, com Nuno Canta a reforçar: “E é um abraço com simpatia…”

“A única unidade da Siemens ligada aos aeroportos desenvolve o sistema de software de gestão de bagagens. O senhor provavelmente está a confundir aquilo que vai ser um operador que vai ser contratado pela ANA Aeroportos para intervir no terminal… e não uma empresa que se vai instalar no parque logístico. O senhor anuncia a Bosch, cuja única grande intervenção num aeroporto foi equipá-lo com câmaras de vídeo. Quanto à Google nem vale a pena conversar, sabemos o que está a fazer”, contrapôs o comunista, acrescentando: “Citar grandes marcas internacionais para fazer ver aos cidadãos do Montijo que a empregabilidade está aí a chegar ao Montijo é algo que nos incomoda.”

“Mas incomoda o quê, o haver emprego?”, questionou Nuno Canta, com o vereador da CDU a responder: “Não. Incomoda-me que o presidente da Câmara avance com afirmações que aqui diz que não pode completar, a não ser com um abraço para o vereador da oposição.”

Do enigma das especulações e investigações aos projectos

Quanto à localização do parque empresarial no Seixalinho, Carlos Jorge de Almeida quis saber como irá a autarquia conseguir criá-lo “entre a Carmonti e o arame farpado da Base Aérea n.º 6” e qual o nome do grupo alemão que manifestou interesse no referido investimento.

“Sobre a questão geográfica, o vereador entendeu que era para lá da empresa Carmonti para o lado da base. Mas é para lá da Carmonti para o lado do Samouco. É uma zona que neste momento é agrícola e que temos de planear, bem, para ser um parque de serviços, porque fica na proximidade do aeroporto. Temos a visão de que esse parque, a ser construído, com esse tal interesse que ainda não é concreto mas que já apareceu, terá de ser na vertente das novas tecnologias e por isso falámos em algumas empresas que podem ficar nesse parque”, explicou Nuno Canta.

Relativamente à identidade do investidor germânico, o presidente da autarquia foi taxativo e enigmático na parte final. “Quanto ao grupo alemão não tenho o nome nem quero saber. Contactaram-nos, têm esta questão e quando tivermos a concretização indicarei com toda a transparência que grupo será. Agora são tudo especulações e investigações”, afirmou, sem explicar onde se esquadravam as especulações ou investigações.

Nuno Canta apontou ainda alguns projectos, que diz estarem em andamento na autarquia e que estão contemplados no caderno de encargos a cumprir pela ANA Aeroportos com a instalação do novo aeroporto no Montijo.

A saber: uma nova entrada para a Ponte Vasco da Gama, com construção de uma rotunda no cruzamento da estrada que vai para o Samouco com a estrada real; a conclusão da circular externa, desde o Esteval a abraçar toda a cidade e a vir ligar ao Seixalinho; a construção da avenida do Seixalinho com quatro faixas de rodagem e ciclovia, entre o Seixalinho e o Saldanha; a conclusão da Variante da Atalaia; a construção da avenida ao bairro da Bela Colónia; a colocação de passadiços de madeira na zona das salinas do Montijo; e a reconfiguração da rede de abastecimento de água do Seixalinho e o abastecimento ao aeroporto, que pode traduzir-se num abaixamento da facturação aos munícipes por via do encaixe financeiro assegurado pela infra-estrutura aeroportuária.

Comentários

- Pub -