Câmara abre concurso para ampliação da Escola Básica do Afonsoeiro

183
visualizações

Proposta foi aprovada por unanimidade. Obra fecha ciclo de investimentos previstos na carta educativa de 2009 para a rede pré-escolar

 

- Pub -

A abertura do concurso público, pelo preço base de 826 mil e 208 euros, para as obras de ampliação e adaptação da Escola Básica do Afonsoeiro foi outra das propostas aprovadas, por unanimidade, pelo executivo camarário, na reunião de câmara de quarta-feira.

Uma empreitada com significado especial para a gestão socialista, conforme vincou Nuno Canta, já que marca a conclusão de um ciclo de investimento.

“Esta obra concretiza todos os investimentos a que nos tínhamos proposto na carta educativa. É o último pré-escolar previsto na carta educativa de 2009, que agora será revista”, afirmou o presidente da Câmara, frisando que o concelho apresenta “uma cobertura de praticamente cem por cento na rede pré-escolar”. O autarca lembrou ainda que quando o PS chegou à Câmara, depois de ter ganho as autárquicas de 1997, “a resposta ao nível do pré-escolar era quase zero”.

A intervenção na Escola Básica do Afonsoeiro incidirá numa “grande reabilitação” do edifício do plano centenário. “Serão colocados novos vãos de janelas, com vidro duplo, atendendo às questões climáticas e térmicas, substituída a cobertura e colocado isolamento térmico. Será também organizado, remodelado e modernizado todo o recreio escolar incluindo o refeitório existente”, disse Nuno Canta, acrescentando que o polidesportivo será remodelado e relocalizado na área do estabelecimento de ensino.

“Isto porque, na parte voltada para a Rua de Moçambique, vamos criar uma nova frente de escola que será o pré-escolar, com três salas mais uma sala polivalente, que vai dar resposta a 75 crianças entre os três e os cinco anos”, explicou.

O prazo de execução da empreitada é de 360 dias, avançou Maria Clara Silva, vereadora responsável pelo pelouro da Educação. A autarca socialista adiantou ainda que a Câmara Municipal está a estudar conjuntamente com o respectivo agrupamento de escolas a melhor solução para a execução dos trabalhos.

“Não será possível fazer esta obra com os alunos lá dentro, como o foi no caso da Escola Básica n.º 1 Joaquim de Almeida. A Câmara Municipal e o agrupamento de escolas estão a trabalhar na solução mais fácil para as famílias e mais viável para a comunidade educativa”, alertou a vereadora, a concluir.

Comentários

- Pub -