Antiga fábrica do Izidoro comprada por um milhão abaixo do valor de mercado

130
visualizações

Nuno Canta afirma que foi “o melhor negócio de sempre” da autarquia. Aquisição custa apenas 297 mil e 887 euros aos cofres da Câmara. Espaço irá dar lugar a um empreendimento habitacional com casas e rendas a custos controlados. Oposição ficou rendida

 

- Pub -

A oposição rendeu-se e a aprovação por unanimidade da compra da antiga fábrica do Izidoro, no bairro da Calçada, por 297 mil e 887 euros foi acompanhada de reconhecimento à acção da gestão socialista liderada por Nuno Canta, que salientou por 14 vezes a grandeza de um negócio que classificou como “o melhor na história do Montijo”.

A Câmara Municipal exerceu o direito legal de preferência na aquisição, livre de ónus e encargos, por cerca de um milhão de euros abaixo do valor de mercado – o imóvel foi avaliado em 1 milhão e 206 mil euros, segundo uma auditoria independente, revelou o presidente da autarquia, na reunião pública quinzenal do executivo, na passada quarta-feira.

A compra do imóvel – de mais de dois hectares – ao Fungepi BES visa ir ao encontro da “Nova Geração de Políticas de Habitação” lançada pelo Governo, com Nuno Canta a explicar que pretende desenvolver, no local, “a construção de um grande empreendimento habitacional, com casas a custos controlados ou rendas acessíveis para as classes média e média/baixa”. O autarca arredou assim a possibilidade de o futuro empreendimento se destinar estritamente para habitação social – apesar do enquadramento que constava na proposta – e, ao mesmo tempo, avançou que o projecto “marcará” o actual mandato.

A assinatura da escritura de compra e venda do imóvel deverá ocorrer num prazo máximo de 30 dias a contar desde a última quarta-feira.

“A proposta insere-se no espírito daquilo que no mandato passado foi manifestado pela CDU. Que se respeite alguma daquela traça e memória do espaço no novo equipamento”, alertou o vereador comunista, Carlos Jorge de Almeida.

Já o vereador social-democrata, João Afonso, foi mais “fofinho” na apreciação ao documento, mas sem perder a oportunidade de lançar uma alfinetada aos socialistas. “É uma das propostas mais virtuosas que esta Câmara trouxe – também não pode falhar sempre”, atirou o autarca do PSD.

A construção habitacional deverá ser assegurada por “uma empresa pública” que assumirá a gestão do empreendimento, disse Nuno Canta a O SETUBALENSE, recusando-se a avançar nomes nesta altura. “Estamos a encontrar parceiros para erguer um bairro moderno”.

A operação insere-se ainda numa estratégia de “reabilitação do centro urbano e de toda a frente ribeirinha” da cidade.

“Só num negócio poupámos cerca de um milhão de euros ao erário público. Um montante que já dá para pagar todos os investimentos que fizemos e ainda sobra dinheiro”, realçou o socialista, referindo-se aos valores despendidos nas aquisições do antigo edifício da Trabatijo (200 mil euros), do imóvel frente aos Paços do Concelho para instalação da Loja do Cidadão (191 mil euros) e agora da antiga fábrica do Izidoro (quase 298 mil euros), além do lote de terreno contíguo à Galeria Municipal (65 mil euros) cuja compra também foi deliberada nesta sessão.

Elevador e sede para Comissão de Festas na Galeria Municipal

Construir uma nova acessibilidade, através de elevador, à sala de sessões da Assembleia Municipal e construir um edifício para instalar a sede da Comissão de Festas foram os objectivos apontados pelo presidente da Câmara na proposta apresentada para a compra do referido lote, com 106,06 metros quadrados, localizado no gaveto formado pelas ruas Agostinho Fortes e Almirante Cândido dos Reis.

A Câmara Municipal acordou pagar 65 mil euros pelo espaço, dois mil euros a mais do que o valor estimado de mercado, também de acordo com avaliação feita por uma entidade independente.

A proposta passou com seis votos favoráveis (quatro do PS e dois da CDU) e o voto contra do vereador João Afonso.

“O PSD vota contra não porque se oponha à aquisição do imóvel, pelo contrário, já que defendemos o aumento do património municipal. Mas, neste caso o valor da avaliação é inferior ao da aquisição. Não é aceitável. O Estado deve sempre adquirir por preço igual ou inferior ao da avaliação, por um princípio de transparência”, justificou o social-democrata.

Nuno Canta defendeu que a proposta de aquisição “cumpre o princípio da legalidade, o princípio da transparência e o interesse público”, afirmando que “não existe preceito legal que obrigue a Câmara a comprar pelos preços estimados pela avaliação”.

O vereador da CDU, Carlos Jorge de Almeida, teve entendimento igual ao do socialista e lançou um repto ao autarca social-democrata. “Se o vereador do PSD trouxer um preceito legal que nos faça alterar a nossa posição…”, disse, admitindo que a proposta respeitava todos os princípios necessários para ser aprovada.

A sessão ficou ainda marcada pelo anúncio de Nuno Canta sobre a forma como passam a ser incluídas as intervenções dos autarcas nas actas das reuniões – ou através de declarações escritas ou oralmente ditadas –, devido aos sistemáticos votos contra da oposição (CDU e PSD) que se tem queixado de omissões e desvirtuamento dos resumos apresentados.

José Manuel Santos vota em “ca(u)sa própria”

José Manuel Santos substituiu a vereadora Sara Ferreira na bancada do PS durante a reunião do executivo. Curioso foi o facto de ter participado na votação (favorável) da proposta para aquisição do lote de terreno contíguo à Galeria Municipal, que tem por uma das duas finalidades a edificação de um espaço para instalação da Comissão de Festas. Ora, José Manuel Santos preside à Comissão de Festas, mas não optou por se ausentar da sala e deixar de votar a proposta que acabou por ser aprovada com os votos a favor de PS e CDU.

Comentários

- Pub -