Garcia de Orta continua num impasse após reunião da ministra com autarcas

49
visualizações

A presidente da Câmara de Almada reuniu com Marta Temido para desenharem uma solução para a falta de médicos no Hospital de Almada, mas não houve fumo branco

 

- Pub -

A presidente da Câmara de Almada afirmou hoje que não saiu “descansada” da reunião com a ministra da Saúde, porque “não há uma solução imediata” para resolver a falta de pediatras no Hospital Garcia de Orta.

“Não podemos sair daqui muito descansados porque, para já, no curto prazo, não há uma solução imediata para esta situação”, afirmou Inês de Medeiros (PS), em declarações aos jornalistas, no Ministério da Saúde, em Lisboa.

Na reunião de ontem, a ministra da Saúde, Marta Temido, comunicou quais os esforços que têm sido feitos para contratar novos profissionais, mas a autarca considerou que, “para um hospital tão fundamental como o Garcia de Orta, é insuficiente”.

Segundo Inês de Medeiros, o Governo continua a procurar especialistas em pediatria e não está a excluir “nenhum tipo de contratação”, incluindo a prestação de serviços e concursos nacionais e internacionais.

A presidente da Câmara de Almada, no distrito de Setúbal, não adiantou, porém, se a unidade hospitalar vai passar a encerrar todas as noites, a partir de domingo. “Cabe à senhora ministra anunciar publicamente o que vai acontecer”, afirmou.

Na semana passada, a Comissão de Utentes do Seixal reuniu-se com a administração do Garcia de Orta e adiantou à Lusa que a urgência pediátrica iria passar a encerrar todas as noites, a partir de domingo, “pelo menos, durante o prazo de seis meses”.

Em conferência de imprensa, no mesmo dia, o presidente do conselho de administração do hospital, Luís Amaro, não confirmou o encerramento do serviço, mas admitiu que “é uma das possibilidades que está em cima da mesa”.

A urgência pediátrica já tinha fechado por diversas vezes em Outubro devido à falta de especialistas, levando o hospital a implementar um modelo de encerramento no período nocturno aos fins-de-semana, até domingo.

Esta situação preocupa Inês de Medeiros, que defendeu que o que importa é “encontrar uma solução, nem que seja temporária, para mitigar este encerramento”.

“O que estamos a falar é de criar soluções a curto prazo. É isso que a Câmara de Almada tem dito deste o início. Ficámos muito felizes por saber que há concursos que estão a ser lançados, mas enquanto não estão concluídos, importa encontrar uma solução alternativa”, apontou.

Neste sentido, a autarca desvendou que o “alargamento dos horários de funcionamento dos centros de saúde” é uma das medidas que estão a ser consideradas por Marta Temido.

“Não podemos sair daqui satisfeitos e continuaremos a insistir com o Ministério, mesmo reconhecendo as dificuldades”, frisou.

A falta de pediatras no Garcia de Orta afecta o hospital há mais de um ano, quando saíram 13 profissionais e, segundo o Sindicato dos Médicos da Zona Sul, nem o lançamento de concursos foi suficiente para colmatar a carência porque “ninguém concorreu”.

Actualmente, trabalham 28 médicos no serviço de pediatria, dos quais só sete fazem urgência e apenas quatro podem fazer noites porque têm menos do que 55 anos.

Em 26 de Outubro, o presidente do Hospital Garcia de Orta informou que a urgência pediátrica deve normalizar “daqui a seis meses”, depois do lançamento de um novo concurso e do preenchimento das três vagas por contratação directa, autorizadas pelo Ministério da Saúde.

Comentários

- Pub -