PCP acusa TST de prejudicar utentes com cortes de carreiras

57
visualizações

O confirmado aumento da procura estima-se em mais de 22%, em resultado da acentuada redução dos preços dos passes sociais, verdadeiramente intermodais

- Pub -

O PCP considera que as populações de Almada estão a ser prejudicadas com a diminuição de carreiras decidida pelo conselho de administração dos Transportes Sul do Tejo (TST) para os percursos na margem sul.

Em comunicado, os comunistas afirmam que foram feitas “dezenas de alterações aos horários praticados até finais de Dezembro de 2019, já com uma oferta insuficiente, estão
a aumentar, e muito, os tempos de intervalo entre carreiras, representando, na prática verdadeiros cortes de carreiras”.

Considerando que a mobilidade das populações “é uma necessidade
quotidiana”, para as deslocações regulares das pessoas, “têm também de assegurar o direito ao lazer, à cultura e participação cívica”. E agora a empresa nem pode alegar
que corta nas carreiras pela baixa afluência de utentes, uma vez que com o novo passe social – Navegante – a procura aumentou.

“Hoje, com o expectável e o confirmado aumento da procura, estima-se em mais de 22%, em resultado da acentuada redução dos preços dos passes sociais, verdadeiramente intermodais, por serem aceites por todos os operadores, e nunca será de mais lembrar que foi pela acção persistente do PCP e da luta dos utentes”.

Mesmo assim, “o conselho de administração dos TST, com mais utentes transportados, cortou carreiras, diminuiu a oferta, e ameaça proceder a mais cortes”. E acrescenta o do-
cumento que é conhecida “a falta de cobertura adequada dos TST de-
signadamente, nas freguesias do Feijó, Sobreda, Laranjeiro, Charneca,
Trafaria, Caparica”.

Para os comunistas este corte de carreiras vem na “lógica de aumentar os lucros”, e com isto, “a administração dos TST não cumpre as suas obrigações para com os trabalha-
dores ao seu serviço. As lutas desenvolvidas, para além de verem satisfeitas as suas justas reivindicações têm o objectivo melhorar o funcionamento da empresa”.

Para o PCP “é positivo” que a Autoridade da Mobilidade e Transportes tenha dado parecer positivo ao concurso para aquisição de serviço público de transporte rodoviário na Área Metropolitana de Lisboa. Todavia “tem de ser direccionado para o aumento da oferta, com qualidade e fiabilidade”.

Comentários

- Pub -