Utentes do litoral alentejano vão a Lisboa exigir melhores cuidados de saúde

38
visualizações

“Há falta de médicos, enfermeiros, auxiliares e assistentes técnicos no Hospital do Litoral Alentejano (HLA) e nos centros de saúde as condições dos edifícios são precárias”, disse o porta-voz da coordenadora das comissões de utentes, Dinis Silva.

 

- Pub -

 

As comissões de utentes do litoral alentejano vão manifestar-se no dia 28 de fevereiro, em frente ao Ministério da Saúde, em Lisboa, para exigir “mais e melhores cuidados de saúde” para a região, foi hoje divulgado.

“Há falta de médicos, enfermeiros, auxiliares e assistentes técnicos no Hospital do Litoral Alentejano (HLA) e nos centros de saúde as condições dos edifícios são precárias. Por isso, vamos lutar para que, no futuro, hajam melhores condições nos cuidados de saúde”, disse à agência Lusa o porta-voz da coordenadora das comissões de utentes, Dinis Silva.

Devido aos “vários problemas que persistem” nos serviços de saúde do litoral alentejano, está marcada para 28 de fevereiro, às 10:30, uma concentração em frente ao Ministério da Saúde, em Lisboa.

“Há cerca de 10 mil utentes sem médico de família, que é um número infelizmente elevado, a urgência de pediatria do HLA continua a funcionar sem médico pediatra e há localidades que só têm médico de 15 em 15 dias. Por estas razões vamos bater à porta da ministra da Saúde”, disse Dinis Silva.

Além de elementos das comissões de utentes do litoral alentejano, a manifestação deverá juntar autarcas, dirigentes e delegados sindicais e a “população que queira aderir” e “ajudar a pressionar o Governo para “melhorar as condições de saúde” nesta zona do distrito de Setúbal.

Num comunicado hoje divulgado, as comissões de utentes defendem também a colocação de uma ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) no Serviço de Urgência Básica (SUB) de Alcácer do Sal e denunciam a degradação das instalações de centros e extensões de saúde nos concelhos de Santiago do Cacém, Grândola e Odemira.

“No HLA os tempos máximos de resposta garantidos são na sua maioria ultrapassados, como é o caso das consultas de otorrinolaringologia em cerca de três anos, e, em algumas especialidades, só há um médico para cerca de 100 mil utentes”, criticou o representante das comissões de utentes.

“Há mais de uma década a lutar por melhores condições de saúde” para os utentes do litoral alentejano, a coordenadora das comissões de utentes realçou que “têm sido feitas diligências para que de uma vez por todas se entenda que esta região precisa de melhores cuidados de saúde”.

“As promessas sucessivas que têm sido adiadas, como o Centro de Saúde de Santiago do Cacém que aguarda há anos por novas instalações, não passam disso mesmo e o que queremos é que passem à prática e que as populações saiam beneficiadas com isso”, concluiu Dinis Silva.

Comentários

- Pub -