Festival Músicas do Mundo de Sines integra movimento inédito no país

60
visualizações

Promotoras de festivais juntam-se em Lisboa para lançar a “DeclareAcção”. Documento pretende envolver jovens com idades entre os 16 e os 30 anos, na luta por um
mundo melhor. Autarquia do litoral alentejano foi uma das entidades que confirmou a sua adesão ao projecto

 

- Pub -

Muitas das principais entidades promotoras de espectáculos, festivais e eventos em
Portugal, juntaram-se em Lisboa na manhã desta quarta-feira, para lançar a
“DeclareAcção”, um movimento que tem por objectivo “consciencializar e convocar a
sociedade para a mudança de comportamentos”, inspirado no ano de “Lisboa Capital
Verde Europeia”, que vai mobilizar jovens de todo o país para definir acções que “façam
do mundo um lugar melhor, dando assim origem à primeira declaração de atitudes que
todos poderão ‘assinar’ ao colocá-las em práctica”.

O documento, que demonstra que para “assinar” é preciso agir, reuniu os responsáveis de diversas promotoras e entidades, entre as quais, a Câmara Municipal de Sines no âmbito da realização do FMM – Festival Músicas do Mundo. Segundo o presidente da autarquia, Nuno Mascarenhas, a música “é um excelente pretexto para a consciencialização dos desafios sociais contemporâneos e para a mobilização de todos em torno de objectivos comuns”.

Por isso mesmo, o autarca destaca que o FMM Sines “não hesitou em aderir” a esta
iniciativa. “Juntamo-nos com esperança e empenho a este desafio e reforçamos a nossa
convicção de que a linguagem universal da música é um elo entre os povos”, defendeu,
acrescentando que “todos os gestos, por mais simbólicos que possam parecer,
contribuem para que as novas gerações tenham um mundo mais justo e um planeta
mais sustentável”.

Para criar esta “declaração de acções”, os mais jovens vão ser desafiados por estas
entidades, para um workshop do qual resultarão 17 atitudes, baseadas nos Objetivos de
Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas, focando-se em
áreas tão distintas “como as alterações climáticas, diversidade, inclusão social,
desenvolvimento económico e a reciclagem, entre outras, cumprindo todas elas a
premissa de contribuírem activamente para a construção de um mundo melhor”.

Selecção envolve três fases

O processo de selecção dos jovens passará por três fases. Na primeira, será levada a cabo uma pesquisa de metodologia quantitativa e qualitativa, com validação etnográfica, para identificação dos perfis de líderes, com idades compreendidas entre os 16 e os 30 anos, e que tenham voz nas suas comunidades. Identificados esses voluntários, oriundos de diferentes distritos do país e de diferentes géneros, nacionalidades, classes sociais e nível de formação, numa terceira etapa, o colectivo será desafiado num workshop com
metodologia Torke CC (comprovada em mais de 300 workshops de 14 países), onde de
forma colaborativa trabalharão o desenvolvimento das “atitudes” com base nas ODS. Os
interessados que se queiram voluntariar para participar no processo de definição das atitudes podem faze-lo através do email [email protected], até ao próximo dia 31 de Janeiro.

Recorde-se que em 2019 realizaram-se 287 festivais de música só em Portugal,
acumulando um total de 2,1 milhões de visitantes, tornando-se “evidente o potencial
influenciador e transformador dos festivais nas comunidades locais e nacionais onde
ocorrem, assim como a responsabilidade de assumirem uma atitude positiva e que
contribua para a construção de um mundo melhor”.

Luís Geirinhas

Comentários

- Pub -