Corta-Mato em Paio Pires. Centenas a correr sob o olhar de campeões

359
visualizações
Carlos Lopes, em 1984

Carlos Lopes, Carla Sacramento, Albertina Dias, Paulo Guerra e Ezequiel Canário, que marcaram a modalidade tanto a nível nacional como internacional, vão estar em Paio Pires. Eis um motivo para saudarmos antigos e futuros campeões

 

- Pub -

 

A 5.ª edição do Eco Run D. Paio Peres Correia vai ser corrida na manhã de 26 de Janeiro, um domingo, nos terrenos adjacentes à Urbanização Encosta do Sol. Promovida pelo Grupo Futsal Amigos Encosta do Sol, com os apoios da Câmara do Seixal, da União de Freguesias do Seixal, Arrentela e Paio Pires e da Associação de Atletismo de Setúbal, bem como do comércio e indústria locais, é uma prova aberta a amadores e profissionais de todos os escalões, ou seja, de benjamins a veteranos VII.

Dois factos que marcam esta jornada de atletismo: o incluir um encontro inter-associações de iniciados e juvenis (em que participarão jovens atletas das associações do Algarve, Beja, Setúbal, Lisboa, Santarém, Leiria e Coimbra) e integrar, no seu programa, o Campeonato Regional de Corta-Mato de Setúbal. Ao todo, estarão em acção quase um milhar de atletas repartidos por cerca de 50 equipas.

 

Outro motivo de grande interesse para quem se interessa pela modalidade: antigas glórias do atletismo português deslocar-se-ão a Paio Pires. Referimo-nos a Carla Sacramento, Albertina Dias e Paula Guerra, que são os patronos da prova, bem como Carlos Lopes, Ezequiel Canário e Alberto Maravilha, convidados de honra. Lembre-se, a propósito, que Albertina Dias e Carlos Lopes são os únicos atletas portugueses que se sagraram campeões mundiais de corta-mato.

“É uma pena termos tantos campeões esquecidos” – José Serrano

José Serrano, antigo atleta, hoje com 44 anos e fisioterapeuta de profissão, é, pode dizer-se, a alma destas provas de Paio Pires. Por ele passa tudo e quase tudo sai da cabeça dele, o que pouco espanta sabendo-se que é um homem ligado, desde muito novo, à modalidade. Meio-fundista do Grupo Desportivo do Cavadas, foi campeão nacional de corta-mato, em iniciados, e de juniores, nos 3 mil obstáculos, constando também no seu currículo um 5.º lugar no “europeu” de juniores. Em 1993, foi considerado o atleta revelação do ano de meio-fundo, no escalão de juniores.

Foi por “opção” que abandonou a competição, pois entendeu que “havia vida para além do atletismo”, disse à reportagem de “O Setubalense”.

Para José Serrano, o objectivo desta edição da prova “é superar o número de participantes, estando reunidas as condições para o efeito”, já que conseguimos integrar no programa o encontro inter-associações de iniciados e juvenis e o Campeonato de Corta-Mato da Associação de Setúbal”.

Quanto ao nomes sonantes que se deslocarão a Paio Pires para acompanharem o Eco Run, são, para o antigo atleta, “figuras ímpares do nosso atletismo, no qual deixaram a sua marca inconfundível. O nosso atletismo precisa de referências como estas, que arrastam gente nova para a prática da modalidade”. Na opinião de José Serrano, hoje não temos referências no fundo e meio-fundo, distâncias em que já fomos dominadores na Europa e até no Mundo”. E um lamento: “É uma pena termos tantos campeões esquecidos. Dá a impressão que a memória que deles se tem acaba quando deixam de

correr!”
O ex-atleta fez questão de agradecer publicamente às autarquias, pelo apoio logístico que dão à prova, bem como à Associação de Setúbal e comércio local.

Por José Augusto

Comentários

- Pub -