Crença sadina vale empate entre Vitórias na estreia de Julio Velázquez no Bonfim

51
visualizações

Ambos os golos foram, apontados na segunda parte. Setubalenses e vimaranenses voltam a medir forças na quinta-feira, em jogo do grupo B da Taça da Liga

- Pub -

O Vitória FC e o V. Guimarães empataram (1-1), no Estádio do Bonfim, em jogo da 12.ª jornada da I Liga, que marcou a estreia do treinador espanhol Julio Velázquez em jogos do campeonato pelos sadinos. O jogo no Estádio do Bonfim teve como marcadores os avançados André Pereira, que inaugurou marcador aos 50 minutos para os vimaranenses, e Ghilas, que repôs a igualdade para os sadinos, aos 62 minutos.

Em relação ao encontro com o FC Porto da Taça de Portugal (derrota por 4-0), Julio Velázquez promoveu cinco alterações no onze dos sadinos: Sílvio, Nuno Pinto, Éber Bessa, Carlinhos e Ghilas foram as novidades, sendo a titularidade de Nuno Pinto a que merece maior destaque. O lateral voltou a atuar os 90 minutos na I Liga quase um ano depois de ter atuado a última vez devido à batalha que travou contra um linfoma.

No lado do emblema vimaranense, em comparação com o duelo de quinta-feira na Liga Europa com os belgas do Standard Liège (1-1), Ivo Vieira mudou apenas um jogador em Setúbal com a entrada de Rochinha para o lugar de Bruno Duarte. Nota ainda para o regresso de Ola John, que começou a partida no banco de suplentes e foi a jogo durante a segunda parte. O extremo holandês não entrava nas contas do técnico desde agosto.

O Vitória sadino teve um ligeiro ascendente territorial nos primeiros minutos, mas foi o seu homónimo de Guimarães a criar o primeiro lance de perigo no jogo. Aos 13 minutos, uma perda de bola de Zequinha permitiu um contra-ataque aos minhotos que só não marcaram por Edwards porque o guardião Makaridze fez uma defesa atenta.

O Vitória de dominou os primeiros 30 minutos do encontro. Conseguindo por várias vezes deixar em sobressalto a baliza sadina. Num desses lances, aos 21 minutos, Rochinha rematou em arco, levando a bola a desviar na cabeça de um adversário e a sair perto da baliza. Só nos últimos 15 minutos da primeira parte, os comandados de Julio Velázquez, que teve em Mansilla o elemento mais desequilibrador, conseguiram impor o seu futebol aos vimaranenses. Na melhor ocasião que dispuseram para desfazer o nulo, os setubalenses, aos 37, viram Ghilas, depois de um contra-ataque rápido, rematar para defesa de Douglas.

O Vitória de Guimarães voltou a ver a sua baliza ameaçada mais duas vezes antes do intervalo. Aos 40, a defesa minhota não conseguiu tirar a bola da área e Jubal quase empurrou com sucesso para a baliza. Volvidos três minutos, Mansilla cruzou para Zequinha que cabeceou ao lado da baliza de Douglas. Antes do árbitro Manuel Oliveira apitar para o intervalo, Edwards, junto à linha de baliza, testou atenção de Makaridze, guarda-redes georgiano dos da casa que afastou perigo num cruzamento rasteiro venenoso.

No segundo tempo, o Vitória de Guimarães entrou da melhor forma ao inaugurar o marcador por André Pereira, aos 50 minutos. O avançado, que em 2017/18 representou os sadinos, concluiu com um remate forte e colocado do lado direito uma jogada de contra-ataque da sua equipa.

O conjunto setubalense não se ressentiu do golo e chegou ao empate, aos 62 minutos. O franco-argelino Ghilas aproveitou uma assistência de Éber Bessa para fugir e ficar na cara de Douglas, que foi incapaz de impedir o tento da igualdade dos comandados de Julio Velázquez.

Até ao final, ambos os conjuntos dispuseram de oportunidades para marcar e conquistarem os três pontos, mas a eficácia nunca foi a melhor, mantendo-se por isso o 1-1 até ao apito final. Na quarta-feira, a contar para a segunda jornada do grupo B da Taça da Liga, os dois Vitórias voltam a medir forças no Estádio do Bonfim, em Setúbal.

Sócios aprovam orçamento de 2020 em AG

Com 42 votos a favor, 11 contra e 24 abstenções, os sócios do Vitória aprovaram na passada quinta-feira em assembleia geral, realizada no pavilhão Antoine Velge, o orçamento de receitas e despesas do clube para 2020, que prevê um saldo final de tesouraria de 24,125 euros.

Com um total de recebimentos de 2.283,664 euros (a maior fatia advém das quotizações: 650.000) e um total de pagamentos de 2.285,018 euros (quase metade – 1.077,005 – em fornecimentos e serviços externos), o clube apresenta um balanço positivo devido ao saldo inicial de 25,479 euros.

Comentários

- Pub -