Entrada avassaladora garante continuidade na Taça de Portugal

27
visualizações

Vitória já vencia o Águias do Moradal, da 1.ª distrital da AF de Castelo Branco, por 3-0 à passagem dos 15 minutos de jogo

- Pub -

 

Sem nenhuma dificuldade e com total naturalidade, o Vitória FC apurou-se este domingo para a 4.ª eliminatória da Taça de Portugal, após golear, por 0-5, o Águias do Moradal. O conjunto da 1.ª divisão distrital da Associação de Futebol de Castelo Branco, que aos 15 minutos de jogo já perdia por 0-3, não teve argumentos para contrariar o claro favoritismo dos sadinos, que viram o avançado Ghilas fazer um hat-trick no encontro.

Para não haver risco de surpresa da aldeia do Estreito, pertencente ao concelho de Oleiros, os comandados de Sandro Mendes entraram a todo o gás, conseguindo inaugurar o marcador à passagem dos 30 segundos. Na primeira vez que foram à baliza contrária, o defesa Mano cruzou na direita e Ghilas, que beneficiou de uma falha de um jogador adversário, rematou para o 1-0.

O golo madrugador deitou por terra as esperanças do Águias do Moradal em retardar o tento dos sadinos, que apresentaram sete alterações no onze em relação ao duelo de há duas semanas na Taça da Liga. Milton Raphael, Artur Jorge, Nuno Pinto, Leandrinho, Zequinha, Sekgota e Ghilas foram as novidades em detrimento de Makaridze, Jubal, André Sousa, Semedo, Berto, Hachadi e Mansilla.

Apesar das mexidas, o Vitória deu sempre sinais de bom entrosamento entre os diferentes sectores. Sem surpresa, tirando também partido das evidentes fragilidades do conjunto da associação albicastrense, a vantagem no marcador foi ampliada aos 4 minutos. No flanco direito, Zequinha assistiu o argelino Ghilas que, livre de marcação no interior da área, se limitou encostar para o 2-0.

Motivado pelos dois golos apontados em menos de cinco minutos na primeira vez que actuou a titular com a camisola verde e branca, Ghilas voltou a estar na cara do golo, mas o remate desferido, à passagem do minuto 11, foi para as nuvens. Mais pontaria teve Calinhos, aos 15, que fez o 3-0 do Vitória. Após livre sobre a esquerda, o brasileiro encheu o pé e viu a bola sofrer um ressalto antes de chegar às redes da baliza de Daniel Júnior.

À excepção de um remate de Robinho, aos 23 minutos, o Águias do Moradal – bola sofreu um ressalto e quase traiu Milton Raphael – não conseguiu aproximar-se com perigo da área setubalense. Na baliza contrária, já depois de Éber Bessa (22’) e Nuno Pinto (41’) terem visado a baliza dos anfitriões, Ghilas fez o 4-0, aos 44 minutos, de uma combinação entre Carlinhos e Zequinha, este último assistiu o argelino para o hat-trick.

Nuno Pinto voltou a jogar 90 minutos

Nota de destaque no embate deste domingo vai para a estreia na presente temporada de Nuno Pinto. Depois de ter realizado duas partidas em 2019/20 pelos sub-23, o defesa, de 33 anos, após meses de ausência devido a um linfoma que o tinha em Dezembro de 2018 afastado da competição, actuou ontem os 90 minutos, algo que não fazia desde 1 de Dezembro de 2018, dia em que o Vitória venceu (0-1) o Marítimo.

Na segunda parte, o Vitória, que trocou no reatamento Bruno Pirri por João Meira, continuou a ser o dono do jogo e a criar perigo junto da área do Águias do Moradal. Zequinha (48 e 53), Éber Bessa (52) e Carlinhos (56) deixaram avisos antes de abola entrar novamente na baliza do emblema do concelho de Oleiros. Desta vez, aos 59 minutos, foi a vez de Zequinha fazer o gosto ao pé num remate colocado que colocou o marcador em 5-0.

Ainda antes desse golo, ambos os conjuntos introduziram a bola nas balizas contrárias, mas os lances foram anulados pela equipa de arbitragem liderada por Manuel Mota. Primeiro, aos 49 minutos, foi o sul-africano Sekgota a marcar, mas o golo foi invalidado por ter dominado a bola com a mão. Aos 55, numa das raras descidas do Águias do Moradal à baliza defendida por Milton Raphael, Vítor Alex introduziu a bola na baliza mas estava em posição de fora-de-jogo.

Até ao final do encontro, os comandados de Sandro Mendes não sentiram dificuldades em controlar por completo as operações. Já com o marroquino Hachadi em campo (substituiu o argelino Ghilas aos 61 minutos), o resultado só não se avolumou porque a equipa não foi eficaz nas várias ocasiões que criou junto da baliza do Águias do Moradal que na ronda anterior da prova afastou o Torreense, do Campeonato Portugal, ao vencer por 1-0 em Estreito.

Já perto do apito final, os anfitriões dispuseram de uma oportunidade soberana para chegar ao tento de honra. Aos 85 minutos, o avançado Vítor Alex, em posição privilegiada dentro da área, rematou sobre a trave da baliza defendida por Milton Raphael. A derradeira ocasião para marcar pertenceu ao Vitória. Aos 89 minutos, Carlinhos, ainda antes da linha do meio-campo, rematou à baliza contrária, levando a bola a passar a escassos centímetros da trave.

Com o apoio de cerca de 200 adeptos setubalenses, o Vitória, que marcou mais golos (cinco) do que nos nove jogos oficiais anteriores (três), cumpriu o objectivo de seguir em frente na Taça de Portugal, competição em que já marcou presença em 10 finais e venceu por três vezes. Em nota de rodapé, há a destacar o hat-trick de Ghilas, o primeiro golo de sempre de Zequinha na Taça de Portugal e o facto de Nuno Pinto ter voltado a actuar 90 minutos numa partida.

Comentários

- Pub -