Quinta-feira, 23 de Maio de 2019
Inicio Autores Posts por Francisco Ramalho

Francisco Ramalho

22POSTS 0COMENTÁRIOS
Professor, Corroios

Posts por Francisco Ramalho

Palestina, Testemunhos da Ignomínia

No passado dia 11, o núcleo do Seixal do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), organizou um almoço no Clube Desportivo da Cruz de Pau.

Uma assembleia ilucidativa

Com uma extensa ordem de trabalhos, saudações ao 25 de Abril e ao 1º de Maio e assuntos de vital importância para a sua população e não só, reuniu a 29 do passado mês no seu auditório (José Queluz), a Assembleia de Freguesia de Corroios.

25 de Abril sempre!

O 25 de Abril é um daqueles assuntos que dá pano para mangas.

Eleições à porta, demagogia na rua

À saída de  um hotel de Lisboa, depois de um almoço para onde  fora convidada recentemente pela  Associação de Amizade Portugal-Estados Unidos da América, Assunção Cristas (AC), afirmou que votar no CDS é a melhor garantia para “libertar o país das amarras do socialismo”.

Não à NATO! Sim à paz

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (sigla em português, NATO), que completou recentemente o 70º aniversário da sua fundação (4/4/1949) da NATO,  na opinião de muito boa gente, incluindo a deste vosso escriba, pura e simplesmente já não deveria existir.

Pobres animais!

Segundo aqui o nosso “O Setubalense/Diário da Região”, pela pena de Rogério Matos , edição de 26 do passado mês; os Centros de Recolha...

Uma pedrada no charco

Nestes dias sombrios que vivemos, em que o efeito das famigeradas alterações climáticas já se faz sentir com tanta intensidade;

A última vítima

A Venezuela é a última vitima do imenso rol de intervenções criminosas dos EUA um pouco por todo mundo, para depor  governos e substitui-los por outros com vista à imposição da sua hegemonia.

Os indignados retardados

Há por aí imensa gente indignada com o anúncio feito pelo Presidente do Conselho de Administração do Novo Banco, de que o mesmo precisa de mais 1149 mil milhões.

Falemos do tempo

Já lá vai o tempo em que falar-se do tempo era sinal de que não se tinha mais nada para falar, ou motivo para não se ficar calado.
- Pub -
- Pub -