«Fomos sortudos por ter conseguido manter a maioria da equipa»

32
visualizações

A cumprir a sua segunda temporada em Setúbal, o médio Éber Bessa, que no ano de estreia fez dois golos e 35 partidas oficiais pelo Vitória FC, não tem dúvidas na hora de traçar as metas individuais que tem para 2019/20. “O meu objectivo é ajudar o grupo a fazer uma excelente época. Se isso acontecer, automaticamente eu também vou estar bem, fazer golos e assistências”, vincou.

- Pub -

o brasileiro, de 27 anos, considera que a equipa comandada por Sandro Mendes tem uma vantagem clara em relação à época transacta. “O grupo é muito forte e somos sortudos por ter conseguido manter a maioria da equipa. É bom porque já nos conhecemos e não temos de adaptar muitos novos jogadores”, disse o atleta que afirma ter evoluído desde que chegou ao Bonfim.

 

Que grupo tem o Vitória este ano?

É um grupo muito forte. Fomos sortudos por ter conseguido manter a maioria da equipa do ano passado. Vamos dar o melhor todos os dias para alcançarmos os nossos objectivos.

Quais os benefícios de a maior parte dos jogadores e da equipa técnica terem transitado do ano anterior?

É bom porque já nos conhecemos e não temos de adaptar muitos novos jogadores. Os meninos que chegaram têm qualidade e é fácil adaptar, mas quando a maioria já teve um ano juntos é ainda melhor.

O que acrescentam à equipa os reforços que chegaram agora?

Têm muita qualidade e vêm acrescentar bastante ao grupo. Vão-nos ajudar a alcançar os nossos objectivos.

Foi um dos jogadores mais utilizados na época passada (35 partidas oficiais e dois golos). Espera fazer melhor?

O meu objectivo é ajudar o grupo a fazer uma excelente época. Se isso acontecer, automaticamente eu também vou estar bem, fazer golos e assistências. Se o grupo estiver bem eu também estou.

A prioridade é fazer um campeonato tranquilo?

Sim. Queremos conquistar o máximo de pontos possíveis para não ter de lutar pela permanência nas últimas jornadas. Se isso acontecer estaremos mais tranquilos e mais jogadores podem ter a oportunidade de jogar.

Quais as principais diferenças entre Lito Vidigal, primeiro treinador que teve no Vitória, e Sandro Mendes, actual técnico?

Ambos são excelentes treinadores. As duas pré-temporadas foram boas. Começámos bem a época e depois o Sandro acrescentou também. Espero que Sandro faça uma ótima temporada. Adaptei-me bem aos dois.

Sente que tem crescido em Setúbal?

Sim. No Marítimo jogava um pouco mais preso e recuado, aqui jogo mais solto e com mais liberdade, podendo mostrar melhor o meu futebol.

O que pediu a administração à equipa?

A prioridade é conseguir a permanência o mais rápido possível. Depois veremos o que conseguimos. Vamos procurar conquistar pontos jogo a jogo e depois haverá mais hipóteses de pensarmos noutros objetivos.

Qual a sua principal referência no futebol?

O jogador que mais gosto é o Ronaldinho Gaúcho. Queria um pouco da alegria dele na nossa equipa para podermos fazer um excelente trabalho. Na minha posição, gosto do Philippe Coutinho.

Como foi a sua adaptação a Setúbal?

Adaptei-me muito bem a Setúbal, é uma cidade excelente.

Tem mais um ano de contrato. Espera continuar?

Espero que façamos o melhor para ambas as partes.

 

Vitória manifesta “total tranquilidade” perante “ataque vil” do Chaves

O Vitória FC manifestou segunda-feira em comunicado “total tranquilidade e confiança” em relação às pretensões do Desportivo de Chaves, que os sadinos apelidam de “ataque vil”, em ocupar a vaga dos sadinos na I Liga.

Em causa está o recurso apresentado pelos transmontanos ao Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol por alegadas falhas nos pressupostos financeiros apresentados pelo conjunto setubalense.

“O Vitória Futebol Clube sublinha que sempre cumpriu os regulamentos delineados pelas entidades competentes e procedeu à inscrição da sua equipa no principal escalão do futebol português seguindo os pressupostos exigidos”, lê-se no documento emitido.

Os setubalenses lembram que lembram que a actuação dos flavienses já foi seguida no passado por outros clubes que não conseguiram a permanência dentro do campo. “Semelhante prática já foi adoptada, nas últimas três épocas, por clubes que, dada a incapacidade para alcançarem os seus objectivos dentro de campo, tentaram consegui-lo por outros meios, gerando apenas ruído, pois os resultados são os conhecidos”, referem.

Em resultado do recurso apresentado pelo Chaves, o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol suspendeu a participação de ambos nas provas profissionais, I e II Ligas, respectivamente, devendo o veredicto ser conhecido antes do arranque oficial da época.

Segundo apurámos, a Comissão de Auditoria da Liga já terá respondido com um parecer reforçado com documentação adicional e mantendo a mesma decisão: ou seja, validando a inscrição dos setubalenses que em 2018/19 terminaram a prova na 13.ª posição, com 36 pontos, mais quatro que os transmontanos (16.º classificado).

 

Comentários

- Pub -