Autocarros do futuro já circulam no Barreiro

649
visualizações

Até ao final do ano a frota dos TCB estará totalmente renovada com veículos movidos a gás comprimido. Entretanto o concelho desperta para a história e cultura, com o novo Moinho de Maré Pequeno e o festival “Jazz no Parque”

- Pub -

 

 

Os primeiros autocarros movidos a gás comprimido já começaram a circular no Barreiro. Foi pelas 5h00 do dia 28, que as duas primeiras carreiras iniciaram o seu percurso, num momento que assinalou o arranque das comemorações dos 35 anos de elevação do Barreiro a cidade.

Frederico Rosa, presidente da Câmara Municipal do Barreiro, explica que os novos autocarros vão marcar o futuro dos transportes públicos na cidade e no concelho. “Começam agora a chegar em blocos de oito por mês. Deste modo, até ao final do ano teremos a frota dos Transportes Colectivos do Barreiro [TCB] completamente renovada”.

No total, a nova frota terá 68 autocarros e começou a circular precisamente três meses depois do primeiro-ministro ter apresentado no Barreiro a Estratégia Nacional para Mobilidade Activa, Tedo como meta principal a preservação ambiental. Objectivo em que se enquadra a renovação dos TCB, movidos a gás comprimido.

Em dia de aniversário Frederico Rosa começou assim a acompanhar o Barreiro, desde a madrugada até ao fim de uma noite marcada pela abertura do festival “Jazz no Parque”. Para o autarca “foi um dia de grandes celebrações, marcado pela aposta na mobilidade e na cultura”.

 

Moinho de Maré Pequeno foi surpresa do dia

 

A inauguração do Moinho de Maré Pequeno – Centro Interpretativo, em dia de aniversário da cidade foi “uma agradável surpresa”. Frederico Rosa não esperava “ver tantas pessoas, de diferentes idades, a viverem com tamanha intensidade a recuperação do moinho”.

Com um edifício focado na história da actividade moageira do Barreiro até Coina, desde o século XIV ao século XX, o Moinho de Maré Pequeno reabre portas depois de um investimento de 400 mil euros, entre o interior e os conteúdos, o exterior e a zona envolvente.

Para o presidente da autarquia, “os barreirenses focam-se facilmente na história ferroviária e na CUF e esquecem esta parte mais antiga do Barreiro, quando os moinhos representaram um papel de destaque”, a produzir a farinha usada para fazer o ‘biscoito’, que depois era cozido em Coina e embarcado nas naus dos Descobrimentos.

O autarca destaca agora o novo Centro Interpretativo como “um bom ponto de partida para todo partrimónio moageiro se conhecido, assim como o território da Alburrica”.

 

António Cordeiro. O mérito de viver e vencer

 

Em noite de aniversário também foram entregues os galardões Barreiro Reconhecido 2019.

António Manuel dos Reis, bombeiro voluntário do Sul e Sueste, recebeu a medalha de “Bons Serviços e Dedicação”, pelos seus 40 anos ao serviço da população do Barreiro.

Margarida Feio, primeira mulher a desempenhar as funções de presidente de junta no concelho do Barreiro, viu o seu percurso de vida homenageado com o galardão “Luta Pela Liberdade, Democracia e Cidadania”.

E Francisco Barrenho foi reconhecido na área do “Associativismo, Intervenção Social e Multiculturalidade”, pelo seu percurso ao serviço do basquetebol no Barreirense, durante 50 anos. Um clube onde ‘o Chico’, como é reconhecido entre os barreirenses, já foi tudo. “Atleta, roupeiro, treinador, dirigente”.

O actor António Cordeiro recebeu o Galardão Barreiro Reconhecido 2019 na área da “Cultura, Desporto, Educação e Ciência”.

Diagnosticado em 2017 com uma doença degenerativa, António Cordeiro enfrenta os desafios mais simples do dia-a-dia como grandes provas de perseverança. Em homenagem à força do actor Frederico Rosa comenta, “muitas vezes lembramo-nos das pessoas quando estão no auge da carreira e este momento é tão ou mais importante. O momento de dizer ‘obrigado’ por tudo António Cordeiro”.


 

Laginha e amigos celebram Barreiro com sons de jazz

O primeiro festival “Jazz no Parque” decorreu de 28 a 30 de Junho, num fim-de-semana que superou as expectativas e marcou o Barreiro como nova cidade do jazz.

O cartaz de grande aposta internacional, com a presença de Bobo Stenson e Jakob Bro, foi o mote para a receptividade do público que, em ambiente descontraído, sentado pelos recantos do Parque da Cidade do Barreiro, ouviu os melhores da música de improviso.

Os nomes nacionais não se ficaram atrás e o Sexteto de Jazz de Lisboa proporcionou momentos musicais inesquecíveis na noite de abertura do festival (dia 28). A irreverência de Mário Laginha e seus amigos selou o sucesso do evento que, logo na abertura, “superou todas as espectativas”, revela Frederico Rosa, presidente da Câmara Municipal do Barreiro.

 

Parabéns O Setubalense

A 1 de Julho O Setubalense celebra o seu 164º aniversário.  Para assinalar a data Frederico Rosa, presidente da Câmara Municipal do Barreiro, dedica a toda a equipa uma mensagem inspirada na ética e no jornalismo tradicional.

“No mundo digitalizado que vive de blogs e páginas nas redes sociais é bom saber que ainda existe jornalismo sério e à séria. E se há coisas que ainda é bom manter à moda antiga, o jornalismo é uma delas.

Por isso, dou os parabéns ao jornal e, acima de tudo, às pessoas que o fazem todos os dias. Porque são destas pessoas, da nossa imprensa, sérios profissionais, que precisamos para estar devidamente informados, com informação de qualidade.

No dias que correm, considero cada vez mais importante o reforço ético do jornalismo, porque o que vemos é muita opinião e pouca análise crítica. E vocês, que fazem do jornalismo a vossa vida, estão de parabéns”.

Comentários

- Pub -