Quem substituirá Joana Lança?

691
visualizações

O júri presidido pelo actor Fernando Luís irá escolher qual a madrinha que substituirá Joana Lança para interpretar a Grande Marcha de Setúbal de 2020

 

- Pub -

O Concurso das Marchas Populares, com destaque para as madrinhas, dará a conhecer os vencedores, depois dos desfiles das noites de sexta-feira, dia 28, e sábado, dia 29, na Praça de Touros Carlos Relvas.

Carla Lança: “defendo as cores das Pontes há sete anos”

 

A União Desportiva das Pontes será a primeira a desfilar na Praça de Touros, onde a madrinha Carla Lança cantará o tema “Setúbal Varina, num perfeito Dialeto”. A madrinha das Pontes tem 43 anos e revela “já passei pelo Bairro Santos Nicolau, os Amarelos, a Palhavã, o ACTAS e o AMBA”, mas “nos últimos sete anos tenho defendido as cores das Pontes”. As expectativas da madrinha das Pontes “são sempre altas, pois temos uma marcha muito forte e o grupo tem muitas energias positivas”.

Sara Margarida: “Sempre, sempre Independente”

 

O Grupo Independente será a segunda marcha a participar no primeira noite da Praça de Touros. A madrinha Sara Margarida cantará o tema “Choco frito, o sabor que só Setúbal tem”.

Sará Margarida tem 36 anos e 23 de marchas, recorda “comecei como marchante na Marcha Infantil do Bairro Santos e a partir daí sempre no Independente”.

Sara Margarida faz questão de lembrar “sempre representarei o Independente e só não o fiz nos anos em que foi eleita a Madrinha das Madrinhas”. E conclui “não me vejo a representar outra colectividade sem ser o Independente”.

Inês Pereira “um convite desafiante”

 

O Clube Recreativo Palhavã regressa às marchas após vários anos de ausência e apostou na fadista Inês Pereira, que já foi Madrinha das Madrinhas em 2013 e 2015.

A jovem vencedora este ano do Concurso de Fado Santa Maria Maior pelo grupo da Mouraria, começou o percurso das marchas em 2012, em representação da União das Pontes, explica “fui eleita a melhor madrinha em 2013, no ano seguinte representei o Núcleo Bicross e em 2015 novamente a melhor madrinha”. A jovem continua a recordar o currículo “estive um ano parada, em 2016 e estive dois anos, 2017 e 2018, a ser madrinha do Núcleo do Barro Santos Nicolau”. A mudança para a Palhavã, revela “resultou de um convite, que aceitei de bom grado pois esta marcha aposta num espectáculo colectivo e desafiante: Para que horas é o aviso?”

Carina Martins “é importante relembrar as marchas antigas”

 

A última marcha a actuar na primeira noite na Praça de Touros Carlos Relvas é a União Desportiva Praiense, a quem pedimos desculpa pelo lapso cometido na edição de segunda-feira, porque os arcos representam girassóis e flamingos. O tema desta marcha é “Com o Mar Aqui tão Perto”, que será interpretado por Carina Martins, de 27 anos, que explica “já fui madrinha da Cooperativa do Faralhão, que esta ano não participa e aceitei o convite para ir para a União Praiense, que está de regresso”.

O papel da madrinha, destaca “é cansativo, pois temos que cantar a marcha da colectividade, Grande Marcha de Setúbal e uma das marchas antigas” e acrescenta “gosto deste formato pois permite-nos relembrar marchas que ficaram nos corações”.

Ivone Dias “Dá-me uma grande pica regressar às marchas”

 

Na noite de sábado, 29 de Junho, o Núcleo Bicross abre o desfile com o tema “No coração, a nossa marcha é Rainha”.

A madrinha desta marcha é a veterana Ivone Dias com 56 anos, que regressa ao evento três anos depois de ter sido eleita a Melhor Madrinha.

Ivone Dias lembra o seu percurso “comecei na Perpétua Azeitonense em 1989, depois fui madrinha do CCBA e agora no Bicross, o que me deu uma grande pica”. A azeitonense confessa “este grupo é espectacular e receberam-me muito bem, como se fosse da casa”. Em relação às expectativas, revela “falem comigo quando passar o concurso”.

Rita Guerreiro “as marchas são cada vez mais exigentes”

 

A Perpétua Azeitonense aposta no tema “Música Maestro”, que será interpretado por Rita Guerreiro, de 24 anos.

A jovem tem representado a Perpétua desde 2012 e confessa “as madrinhas têm um papel cada vez mais difícil, pois no novo formato cantam-se três marchas diferentes”, mas destaca “mas lá estamos todas para defender da melhor maneira a marcha da nossa colectividade”. Rita Guerreiro considera que “a letra e a música da marcha identificam-se muito com a Perpétua”, e conclui “as marchas são cada vez mais exigentes e todas têm como objectivo o pódio”.

Liliana Matos: “um ano marcante para a minha estreia”

 

Depois de um ano de ausência o Grupo Desportivo “Os 13” procedeu a diversas alterações e escolheu como madrinha Liliana Matos, que irá interpretar o tema “Das Salinas aos Bailaricos pelo meio um namorico”.

Este ano Liliana Matos é a mais jovem madrinha, apenas com 17 anos, que começou com dois anos e meio como mascote na Marcha da Fonte Nova e lá esteve nove anos. O Grupo da Fonte Nova deixou de participar nas marchas e Liliana Matos foi ser madrinha da Marcha Infantil do Núcleo BIcross.

A jovem explica “estou no Grupo Os 13 a ser madrinha da marcha adulta e vou dar o meu melhor, pois quero que seja um ano marcante para a minha estreia”. Em relação à letra da Grande Marcha de Setúbal confessa “foi difícil no início, e começa por estranhar-se, mas depois entranha-se”.

 

Bairro Santos aposta em dupla de fadistas

 

O Núcleo do Bairro Santos Nicolau regressou às duplas, tendo como madrinha Ana Margarida e padrinho Nuno Rocha. A jovem fadista Ana Margarida, com 22 anos, é pela primeira vez madrinha de uma marcha em Setúbal, mas já assumiu estas funções nas Marchas do Seixal e este ano no Parque das Nações

Nuno Rocha tem 21 anos e foi ensaiador do AMBA. É padrinho pela primeira vez, ele que se tem destacado no fado onde tem conquistado alguns prémios.

João Praia, presidente da colectividade, apostou na remodelação cultural e por consequência da marcha, regressando às duplas como homenagem “a pessoas emblemáticas que fazem parte desta casa”. O Bairro Santos teve como primeira dupla José Crispim e Lena Silva, depois Piedade Fernandes e Fernando Guerreiro, Fátima Dias e Fernando Guerreiro, Carla Lança e Fernando Guerreiro, Mafalda Batista e Marco Caetano e Joana Caetano e Marco Caetano.

Este ano a dupla está de regresso ao Bairro Santos, a última marcha a desfilar na Praça de Touros, com Nuno Rocha e Ana Margarida a interpretarem o tema “Tradições de um povo num rio beijado pelo sol”

 

 

Madrinha das Madrinhas termina “mandato”

Joana Lança: “senti um misto de emoções”

 

Joana Lança escolhida para ser a Madrinha das Madrinhas em 2019, está quase a terminar a sua missão. A jovem que representou o Independente recorda “quando fui escolhida tive um misto de emoções e nestes últimos dias senti o gosto do prémio que me foi atribuído”. A jovem confessa “ainda não tenho perspectivas sobre o meu futuro nas marchas, mas se surgirem convites aceitarei venham eles de qualquer colectividade” e acrescenta “se não receber convites para madrinha serei marchante” A jovem de 21 anos participou como marchante no Bairro Santos Nicolau, nos Amarelos, na Palhavã e na AMBA. Joana Lança foi madrinha do Núcleo Bicross e no Independente.

Comentários

- Pub -