Cidade correu pela inclusão e sem barreiras

25
visualizações

“24 Horas a Correr Pela Deficiência” tem com objectivo de promover a inclusão através da prática desportiva e este ano contou com a participação de centenas de pessoas, que continuam a sonhar uma sociedade sem barreiras

 

- Pub -

 

 

Centenas de pessoas percorreram a cidade durante 24h00, pela deficiência e por oportunidades iguais.

A 4ª edição da iniciativa “24 Horas a Correr pela Deficiência” teve início na sexta-feira, com partida pelas 18h00 do Parque do Bonfim, num ambiente enérgico e de boa disposição onde não houve lugar para limites e barreiras e a participação especial do atleta paralímpico Jorge Pina

No sábado, também no Parque do Bonfim, pelas 18h00 suou o final da corrida, que mais uma vez deus provas da força de mobilização de toda uma sociedade em prol da inclusão e do papel determinante do desporto na concretização desse objectivo maior.

Um evento organizado pela União Desportiva para a Inclusão (UDI), da APPACDM Setúbal, em parceria com a Special Olympics Portugal e Câmara Municipal de Setúbal, durante o qual a vereadora, Eugénia da Silveira destacou a importância do evento como “uma causa nobre à qual a Câmara Municipal se junta com gosto e vontade”, agradecendo “a todos os participantes e todas as pessoas envolvidas nesta iniciativa tão importante”.

O presidente da Junta de Freguesia de Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra, José Belchior, realçou também a necessidade da prática desportiva e não apenas pela questão da competição. “É importante que todos os participantes nesta iniciativa o façam por gosto. Pratiquem desporto, façam o que mais gostam”, desafiou o autarca.

O arranque da iniciativa, com um período inicial e informal de corrida a decorrer entre as 10h00 e as 15h00 de sexta-feira, antes do início da prova oficial, contou com a presença de cerca de 200 alunos do Agrupamento de Escolas de Palmela e da APCAS – Associação de Paralisia Cerebral Almada Seixal.

Na frente do pelotão correu o grupo Law Enforcement Torch Run Portugal, composto por elementos da Unidade Especial da PSP, acompanhados por cães da brigada cinotécnica.

Para marcar o arranque do momento inclusivo, o grupo transportou a Chama da Esperança, símbolo do Movimento Special Olympics Portugal, num percurso pelo interior do Parque do Bonfim e depois pelas principais artérias da baixa da cidade.

As verbas angariadas com o valor de inscrição de cada participante (4,00 Euros) revertem, na íntegra, a favor da promoção e dinamização da atividade física e desportiva dos utentes da APPACDM de Setúbal.

Comentários

- Pub -