Sandro Mendes pede “inteligência e coragem” para vencer o Boavista

8
visualizações
Sandro Mendes, treinador do Vitória de Setúbal, durante o jogo da Primeira Liga de Futebol com o Tondela disputado no Estádio do Bonfim, Setúbal, 10 de março de 2019. RUI MINDERICO/LUSA

Luta pela permanência tem novo capítulo hoje (20:15), no Bonfim, entre Vitória e Boavista

 

- Pub -

O Vitória FC joga hoje, a partir das 20:15 horas, uma cartada importante na luta pela permanência diante no Boavista. Um triunfo sadino coloca os comandados de Sandro Mendes a um pequeno passo de atingir o objectivo da época. Do outro lado, está um oponente que também luta pela continuidade do escalão principal. Treinado pelo ex-técnico do Vitória, Lito Vidigal, o Boavista é o alvo a abater na noite de hoje no Bonfim, estádio que acolhe um duelo “muito complicado”, reconhece Sandro Mendes.

 

Lito Vidigal treinou o Vitória a maior parte da presente época. Pode o Boavista beneficiar dessa situação?

Quem escolheu esta equipa e estes jogadores fê-lo por alguma razão. Muitos já tinham trabalhado com o Lito, outros ainda não, mas foram escolhidos por ele. Se isso lhe dá vantagem? Só podemos ver no final do jogo. Espero bem que não. Pode ter um conhecimento mais profundo dos atletas, mas a dinâmica e o jogo são coletivos. Espero que aí possamos surpreender de alguma maneira o Boavista.

Na altura, era o director desportivo da equipa treinada por Lito Vidigal. Como vai ser o reencontro com o seu antecessor?

Isto não é um jogo de Lito contra Sandro, é um jogo do Vitória contra o Boavista. Trabalhámos muito bem durante a semana. Os jogadores estão focados e muito empenhados. Esperamos ver o trabalho feito reflectido em campo na segunda-feira.

Artur Jorge, defesa do Vitória, disse na antevisão ao jogo que esperava uma partida ”dura e intensa”. Concorda?

As características do Boavista levam a isso. É uma equipa muito intensa e forte nos duelos individuais. Tem bons jogadores e executantes, que tanto jogam curto como longo. Vai ser um jogo bastante complicado. Sabemos o que vale, os jogadores estão cientes disso. Temos de ter inteligência e coragem para dar ao jogo aquilo que precisa.

Como ex-jogador o que tem a equipa de ter nesta altura?

É importante sabermos o que fazemos. Não podemos apontar nada aos jogadores que têm uma entrega fantástica e estão disponíveis para o jogo. Há que tentar controlar ao máximo as emoções que nem sempre é fácil. Sabemos a fase em que estamos e a necessidade de pontos que temos. Não podemos ganhar o jogo no primeiro minuto. Há 90 mais os descontos e, por isso, tem de ser um jogo de paciência e eficácia, que nos tem faltado alguma. No final do jogo fazemos as contas.

Como viu o que aconteceu esta semana com Iker Casillas, guarda-redes do FC Porto [sofreu terça-feira um enfarte do miocárdio]?

São casos muito complicados para quem os vive por dentro. Temos aqui o caso do Nuno [Pinto]. O Casillas é uma figura grande do nosso campeonato, é um campeão na verdadeira aceção da palavra. Acrescenta muito ter jogadores com a qualidade o Iker. Desejo-lhe as rápidas melhoras e que volte rápido porque faz muita falta.

 

Defesa Artur Jorge confiante: «É muito difícil vencerem-nos na nossa casa»

Como antevê o embate que encerra a jornada 32 do campeonato com o Boavista?

Vai ser um jogo muito intenso, como aconteceu no Bessa [triunfo 1-0 dos axadrezados]. Apesar de ter um grau de dificuldade elevado, na nossa casa, estamos convictos de que podemos vencer. É muito difícil para as outras equipas vencerem-nos na nossa casa. Temos esse ponto a nosso favor. É o Boavista, mas, fosse quem fosse, nesta fase da época, é importante vencer.

O facto de Lito Vidigal ter sido vosso treinador esta época é um ponto a favor do Boavista?

Poderá ser. Conhece-nos bem porque esteve aqui connosco quase uma época. Nós também o conhecemos e sabemos a forma como trabalha e como as suas equipas jogam, por isso acho que estamos em pé de igualdade. Somos uma equipa com características diferentes desde que o mister Sandro entrou. Vamos manter os mesmos princípios e jogar para vencer.

O que mudou com Sandro?

Cada um tinha a sua filosofia de jogo. Nós com o mister Sandro temos tido uma filosofia um bocadinho diferente. Tentamos ter mais posse e fazer mais circulação de bola. Temos alcançado bons resultados. Continuamos a ser uma equipa muito difícil de bater e que concede poucos golos. Conseguimos aliar uma forma de defender muito eficaz e criar ocasiões de golo. Tem-nos faltado um bocadinho de sorte para fazermos mais um golo ou outro. Temos uma forma de jogar muito positiva com o mister Sandro.

Curiosamente, a maior solidez defensiva com a sua entrada no onze…

Cada jogo que fazemos sem sofrer golo deixa-me extremamente satisfeito. O trabalho e o mérito é coletivo, a equipa defende muito bem e concede poucas ocasiões aos adversários. Os nossos números defensivos merecem ser valorizados, ainda mais por serem de uma equipa que está na posição em que está.

Faltam três jogos para o final da prova. Esperavam há umas semanas que a classificação estivesse como está?

Temos vindo a conquistar pontos. Não temos conseguido vencer as vezes que queríamos, mas há poucos jogos em que não conseguimos somar pontos. Tem sido isso que, até agora, nos tem permitido não estar abaixo da linha de água. Sem dúvida que merecíamos ter mais pontos. Houve dois ou três jogos em que fizemos praticamente tudo certo e acabámos muito penalizados por um pequeno erro. Penso que estamos dentro do que nos era proposto. Estamos vivos, acima da linha de água, com 33 pontos numa altura em que faltam três jornadas. Temos três jogos para alcançar o nosso objetivo.

Como viu o que aconteceu esta semana com Iker Casillas, guarda-redes do FC Porto [sofreu terça-feira um enfarte do miocárdio]?

Quero deixar um abraço solidário do nosso plantel ao Iker. Estamos a par do que está a acontecer e a torcer para que fique bem e que, se possível, regresse. Nos momentos de maior dificuldade vem ao de cima o que de mais bonito tem o futebol. A união e solidariedade que há por parte de todos os clubes e intervenientes deve ser valorizado, colocando de parte as polémicas que se ouvem no dia-a-dia no futebol português.

 

 

Derrota com Sporting afasta Sub-23 da Taça Revelação

A equipa de Sub-23 do Vitória foi no sábado afastada da Taça Revelação ao perder, por 1-3, frente ao Sporting, no Complexo Municipal de Palmela. A equipa orientada por Chiquinho Conde chegou ao intervalo em desvantagem no marcador devido ao golo apontado por Ronaldo Souza. No início da segunda parte, Rodrigo Mathiola fez a igualdade para os setubalenses, mas, em dois lances de ataque rápido, os leões chegaram ao 3-1 final com golos de Pedro Marques, aos 82 e 90+3 minutos.

 

Comentários

- Pub -