Dores Meira defende cidades inteligentes mas com participação activa das populações

41
visualizações

O recurso a novas tecnologias “é necessário” para facilitar a gestão do território e melhorar a qualidade de vida das pessoas. Mas, é imperioso motivá-las a participarem de “viva voz” nos processos de decisão

 

- Pub -

“Precisamos de reflectir sobre como evitar que as práticas que caracterizam uma cidade inteligente, no contexto de abordagens tecnológicas, possam ser um contributo para um ainda maior afastamento das pessoas da participação activa e individualizada na vida das suas comunidades”. O alerta foi dado por Maria das Dores Meira, presidente da Câmara de Setúbal, na última quinta-feira, na abertura do workshop dinamizado no âmbito do projecto nacional Smart Cities Tour 2019, que, dedicado ao tema “Cidade Inclusiva”, teve lugar no Cinema Charlot – Auditório Municipal.

A autarca considerou, porém, que o recurso a novas tecnologias para facilitar a gestão do território e melhorar a qualidade de vida e o conforto da população é um esforço “absolutamente necessário nas cidades contemporâneas”. Deve, por isso, ser balanceado com o desafio de motivar os cidadãos a participarem de “viva voz” nos processos de decisão que lhes dizem respeito.

Promover a proximidade entre o cidadão e a gestão territorial é uma das chaves para o sucesso e Maria das Dores Meira realçou alguns dos vários projectos “com excelentes resultados” que foram implementados em Setúbal. Exemplo: o USO – Urbanismo Setúbal Online, “janela digital para o urbanismo do concelho, destinado à desmaterialização e agilização dos processos urbanísticos”, a funcionar desde o ano passado e que permite a simplificação administrativa e  a redução de tempos de entrega, recepção e tramitação digital dos referidos processos.

Destacado também foi o Geoportal SIG – Sistema de Informação Geográfica Municipal, ferramenta complementar ao USO, “que fomenta a sistematização, o rigor e a transparência processual” nas matérias mencionadas. Neste momento, em Setúbal, “é já admitida a entrega de todos os elementos e processos urbanísticos em formato digital”, disse.

 

Partilha de boas práticas

 

Na abertura do encontro de Setúbal da Smart Cities Tour 2019 participaram, também, Pedro Dominguinhos, presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos e do Instituto Politécnico de Setúbal, António Almeida Henriques, presidente do Conselho Estratégico da Portugal Smart Cities, e Miguel de Castro Neto, antigo secretário de Estado do Ordenamento do Território e Conservação da Natureza e subdirector da NOVA Information Management School.

O workshop de Setúbal foi o quinto do conjunto de sete encontros promovidos no âmbito da Smart Cities Tour 2019 e incluiu, durante a manhã, vários painéis temáticos de debate.

Com o objectivo de promover a partilha de boas práticas e soluções inovadoras para o fomento de cidades inteligentes, o Smart Cities Tour 2019 é organizado pela Associação Nacional dos Municípios Portugueses, em parceria com a NOVA Cidade – Urban Analytics Lab da Nova Information School. O projecto culmina com a “Cimeira dos Autarcas”, a realizar no evento “Portugal Smart Cities Summit”, entre 21 e 23 de Maio, na FIL – Feira Internacional de Turismo, em Lisboa.

 

Comentários

- Pub -