Exposições defendem conhecimento sobre a natureza e liberdade de expressão

19
visualizações

Na Biblioteca do Vale da Amoreira o palco é da exposição “A Biodiversidade e Nós”. Na Moita, a Biblioteca Municipal Bento de Jesus Caraça recebe “A Ação Repressiva do Estado Novo na Vida e Obra de José Régio”, como símbolo da liberdade de expressão conquistada

 

- Pub -

 

 

De 1 de Abril até 5 de Junho, a Biblioteca do Vale da Amoreira recebe a exposição “A Biodiversidade e Nós”, dirigida a alunos do 1º ciclo e público em geral. Uma mostra disponibilizada pela SPEA – Sociedade Portuguesa do Estudo das Aves, através da qual é destacada a biodiversidade na Área Metropolitana de Lisboa e, em particular, a avifauna, com cinco painéis, complementados por vitrinas com livros, desenhos e objectos diversos relacionados com a observação da natureza.

 

Da natureza à literatura

 

A par de natureza surgem outras vertentes da arte, também em exposição, com “A Ação Repressiva do Estado Novo na Vida e Obra de José Régio”, cedida pelo Centro de Estudos Regianos, patente de 2 a 27 de Abril na Biblioteca Municipal Bento de Jesus Caraça, na Moita e dirigida ao público em geral.

Uma mostra que dá a conhecer uma das facetas menos divulgadas da personalidade do escritor, enquanto homem e intelectual, versando as suas opções de carácter ideológico cívico e político face ao regime repressivo da ditadura do Estado Novo, que acompanhou o decurso de toda a sua vida adulta.

O trabalho foi baseado, sobretudo, na expressão do pensamento político de Régio, colhido, tanto nas “Páginas do Diário Íntimo”, como nas cartas trocadas com familiares e amigos e ainda nas inúmeras colaborações em periódicos. Momentos em que o escritor abordou a censura efectuada pelo regime político sobre a sua produção literária, particularmente sobre a obra ficcional e sobre a encenação das obras teatrais, como também sobre as intervenções cívicas e políticas.

Comentários

- Pub -