Fundação la Caixa vai apoiar doentes de Setúbal com esclerose lateral amiotrófica

38
visualizações
Foto: DR

Investimento em quatro projectos de ajuda a pessoas com doenças avançadas e respectivas famílias passa pela região

 

- Pub -

A Fundação la Caixa estima investir 50 mil euros por ano, durante um período máximo que pode atingir os três anos, no apoio a cada um de quatro projectos de movimentos associativos para ajudar pessoas com doenças avançadas e respectivas famílias, sendo que um desses projectos vai incidir na área geográfica de Setúbal. Na região, o investimento será direccionado para doentes com esclerose lateral amiotrófica.

“(des)cobrir a ELA: estar perto de quem está longe” é o nome do projecto que abrangerá Setúbal, além de Portalegre, Beja, Évora, Braga e Viana do Castelo, o qual “pretende desenvolver um conjunto de acções para chegar perto de quem está longe, através do mapeamento dos doentes com esclerose lateral amiotrófica (ELA) e das suas famílias que residem no interior do país, onde se considera que as respostas de apoio são escassas”, explica a Fundação la Caixa sobre este projecto que é promovido pela Associação Portuguesa de Esclerose Lateral Amiotrófica.

“O projecto irá identificar estruturas de saúde e apoio social regionais que possam acompanhar doentes com ELA, sobretudo em fase avançada da doença, e as suas famílias, reforçar o banco de ajudas técnicas a disponibilizar a doentes e realizar ações de sensibilização e informação.”

Este é apenas um dos quatro projectos que se inserem no Programa Humaniza – Apoio Integral a Pessoas com Doenças Avançadas da Fundação la Caixa em Portugal.

Projectos e duração

Com sede em Espanha, a Fundação la Caixa – uma das mais relevantes a nível internacional, que iniciou em 2018 a sua implantação em Portugal, consequência da entrada do BPI no Grupo CaixaBank – pretende “reforçar o impacto de associações já existentes em Portugal com intervenção relevante junto de pessoas com doenças avançadas e respectivas famílias, apoiando a implementação de projectos inovadores de sensibilização pública e/ou promoção de apoio durante a doença e/ou luto, no âmbito psicossocial e espiritual”.

O apoio aos projectos “terá a duração de um ano, com possibilidade de renovação por um período máximo de três anos, dependente do cumprimento dos objectivos e dos resultados estabelecidos para o projecto, que serão avaliados anualmente”. O apoio financeiro conferido pela Fundação la Caixa a cada entidade seleccionada corresponderá a um montante máximo de 50.000 € por ano, a determinar de acordo com a dimensão do projecto.

Recorde-se que o apoio, através do Programa Humaniza aos quatro projectos, surge na sequência do concurso lançado pela Fundação la Caixa em Outubro de 2018.

“Comunidades Compassivas: Laços que Cuidam”, promovido pela Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos para dois distritos a seleccionar em Portugal Continental, e “Caixa de Música”, promovido pela Associação Portuguesa de Música nos Hospitais e Instituições de Solidariedade, a implementar na Póvoa do Varzim, são outros dois projectos que vão merecer o apoio da Fundação la Caixa. O outro projecto contemplado é o “IntegrAçores – Cuidados Paliativos Integrais para Todos”, promovido pelo Grupo de Amigos dos Cuidados Paliativos do Hospital Divino Espírito Santo de Ponta Delgada, para 19 concelhos distribuídos pelas nove ilhas do referido arquipélago.

Esta é apenas “uma das linhas estratégicas do plano de acção” da Fundação la Caixa para Portugal, que aposta igualmente no “fomento do emprego junto de grupos vulneráveis”, no “apoio a projectos de investigação” e na “divulgação da cultura e da ciência”.

A Fundação la Caixa diz manter assim o compromisso de “alcançar um investimento de até 50 milhões de euros anuais nos próximos anos”, quando todos os seus programas estiverem implementados e a funcionar em pleno.

Comentários

- Pub -