Politécnico abre curso de língua chinesa

55
visualizações

Uma parceria entre o Politécnico de Setúbal e Instituto Confúcio da Universidade de Lisboa abriu a possibilidade aos estudantes de aprenderem mandarim, uma das peças fundamentais da cultura chinesa

 

- Pub -

 

Os estudantes de Acupuntura e de Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação do Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) podem começar a partir de agora a assistir a aulas de língua chinesa, (mandarim). Este novo curso resulta de uma parceria com o Instituto Confúcio da Universidade de Lisboa (ICUL), sendo encarado como uma forma de “reforçar a cooperação com as universidades chinesas com quem temos parcerias nestas áreas do conhecimento”, referiu o presidente do IPS, Pedro Dominguinhos.

O Curso de Língua Chinesa, que arrancou ontem oficialmente com a presença dos diretores do ICUL, Wang Jincheng e Teresa Cid, surge na sequência de dois importantes projetos que resultam de parcerias estabelecidas recentemente entre o IPS e instituições de ensino superior chinesas. Nomeadamente a Oficina Lu Ban Portuguesa, inaugurada em Dezembro último, em parceria com a Escola Vocacional de Mecânica e Eletricidade de Tianjin, e a dupla titulação da licenciatura em Acupuntura, assinada em Julho, com a Universidade de Medicina Tradicional Chinesa de Tianjin.

“A língua é uma das peças fundamentais da cultura chinesa e esta é uma estratégia muito clara para reforçar as competências dos estudantes do IPS, no quadro destas relações que temos com universidades chinesas, e também de afirmar a credibilidade do IPS no ensino da Acupuntura, cooperando com os melhores”, adiantou o presidente do IPS.

Pedro Dominguinhos informou ainda que, a partir do próximo mês de Setembro, está previsto alargar o ensino da língua chinesa também à restante comunidade académica do IPS, bem como à comunidade externa, com destaque para os empresários da região. “Sabemos que hoje em dia as relações económicas entre Portugal e a China são cada vez mais relevantes”.

O Curso de Língua Chinesa ministrado no IPS será a primeira extensão de ensino aberta pelo ICUL desde o seu estabelecimento, há 11 anos. Segundo referiu Wang Jincheng, trata-se de “um evento muito significativo porque estamos a promover a língua chinesa, não só em Lisboa, mas também em outros territórios próximos, e por se tratar do IPS, um dos politécnicos de topo em Portugal”.

Numa cerimónia também marcada por um momento de demonstração de música e caligrafias chinesas, Teresa Cid aproveitou para deixar uma mensagem aos estudantes que agora começam a sua aprendizagem: “Nós começámos, há 11 anos, com 14 alunos. Hoje são cerca de mil e toda a gente aprende e sabe falar chinês. Por isso, mesmo que tenham alguma pequena dificuldade de início, acreditem, porque não só é possível como provavelmente até poderá ser muito divertido”.

Comentários

- Pub -