Câmara inicia poda e abate de árvores no Parque Municipal [vídeo]

86
visualizações

Estudo de avaliação de risco a 25 árvores concluiu, há 10 meses, pela necessidade de abate de seis exemplares. Situação foi revelada pelo vereador do PSD e motivou troca de críticas duras com o presidente da autarquia. Trabalhos arrancaram esta terça-feira

 

- Pub -

A Câmara Municipal do Montijo iniciou hoje uma intervenção nas árvores localizadas no Parque Municipal Carlos Hidalgo Gomes de Loureiro, depois de um estudo de avaliação de risco solicitado pela autarquia à empresa Planeta das Árvores ter recomendado o abate de seis exemplares e a poda de 17.

A situação foi levantada pelo vereador social-democrata João Afonso, no passado dia 21, durante a reunião pública quinzenal do executivo camarário presidido pelo socialista Nuno Canta, gerando troca de críticas e levando a edilidade a emitir uma nota de esclarecimento à população, no site da autarquia e na página que esta administra na rede social Facebook.

O autarca do PSD acusou o presidente da Câmara de ter feito “zero” para salvaguardar a segurança de pessoas e bens ao ter “guardado na gaveta”, há cerca de um ano, o relatório do estudo que recomendava o abate de seis das 25 árvores analisadas.

O socialista considerou então a intervenção do vereador como “uma completa anormalidade”, alegando que a observação do social-democrata não fazia qualquer sentido. “A pessoa que pede os estudos para avaliar estas árvores não está preocupada com a segurança? É o vereador que agora conheceu [o estudo] que está. Estamos aqui a trabalhar no domínio do absurdo”, retorquiu Nuno Canta.

No sábado seguinte, em nota de esclarecimento à população, o gabinete da presidência acabava por confirmar a existência do relatório, ao mesmo tempo que negava que as árvores referenciadas para abate representassem “qualquer perigo iminente”. Na mesma nota, afirmava que não existia qualquer atraso na execução dos trabalhos de poda e abate e, sem se dirigir concretamente ao vereador do PSD, acusava ainda a oposição de provocar propositadamente “alarmismo público injustificado e irresponsável”, englobando assim no mesmo saco a CDU que na reunião de câmara até havia adoptado uma posição passiva em relação ao caso. O comunicado à população não fez, porém, a “separação de águas” entre aquele que foi o comportamento do eleito pela coligação PSD/CDS-PP e o dos eleitos da CDU, facto para o qual o vereador comunista Carlos Jorge de Almeida havia alertado o presidente da autarquia durante a sessão de câmara.

Recorde-se que as conclusões do estudo de avaliação de risco de 25 árvores localizadas no Parque Municipal – que O SETUBALENSE-DIÁRIO DA REGIÃO revelou na edição de segunda-feira passada – datam de 27 de Abril de 2018 e recomendavam o abate de seis exemplares e a execução de diferentes tipos de poda em 17 outros. O relatório atribuía “carácter de urgência” ao abate de um dos seis exemplares referenciados, identificado como árvore número 11. Entre as árvores recomendadas para abate encontrava-se também um exemplar que se localiza no interior do parque infantil que está integrado no Parque Municipal Carlos Hidalgo Gomes de Loureiro.

 

Comentários

- Pub -