Falta de eficácia na finalização dita afastamento sadino da Taça de Portugal

8
visualizações
Os jogadores do Vitória de Setúbal, Ruben Micael (E) e Frederic Mendy (D), disputam a bola com o jogador do Sporting de Braga, Marcelo Goiano (C), durante o jogo da Taça de Portugal realizado no Estádio do Bonfim, em Setúbal, 18 de dezembro de 2018. MIGUEL A. LOPES / LUSA

O sonho de o Vitória FC marcar presença na 11.ª final da Taça de Portugal do seu historial terminou esta terça-feira, no Estádio do Bonfim, após a derrota sofrida com o Sporting de Braga, por 1-0, na partida dos oitavos-de-final. O golo que deu a passagem aos minhotos surgiu no prolongamento numa altura em que os sadinos estavam em superioridade numérica por expulsão de Raul Silva.

- Pub -

O golo que decidiu o encontro aconteceu aos 96 minutos por intermédio de Pablo, jogador que tinha entrado em campo minutos antes. A equipa de Lito Vidigal deu uma excelente réplica, mas pode queixar-se da falta de eficácia que mostrou ao longo dos 120 minutos da partida ao não conseguir concretizar nenhuma das oportunidades criadas.

Os sadinos, que derivaram o central Vasco Fernandes para lateral-esquerdo para ocupar a posição de Nuno Pinto [jogador que luta contra um linfoma], entraram mais acutilantes e tiveram o ascendente territorial nos primeiros minutos da partida.

Após a boa entrada dos anfitriões, o Sporting de Braga equilibrou e passou a acercar-se com perigo da área dos anfitriões. O primeiro aviso aconteceu aos 12 minutos junto da baliza de Cristiano que viu Paulinho rematar, de meia distância, ao lado do poste esquerdo.

O Vitória, que teve Jhonder Cádiz como elemento mais avançado no terreno, respondeu volvidos quatro minutos num lance em que o avançado venezuelano chegou atrasado a um cruzamento da direita. Aos 20 minutos, o conjunto setubalense dispôs de uma excelente ocasião para inaugurar o marcador. Depois de cruzamento de Jhonder Cádiz, Mikel Agu, apesar de atrapalhado por Sequeira, rematou para defesa de Marafona.

Já depois de o público presente no Bonfim ter aplaudido Nuno Pinto ao minuto 21, número de camisola usado pelo defesa que anunciou a interrupção da carreira, o Sporting de Braga, aos 34 minutos, por Paulinho, rematou sobre a trave. Lance mais iminente de golo aconteceu na área contrária quando, aos 38, Jhonder Cádiz, depois de assistência de Rúben Micael, que tinha antes sido assistido por Éber Bessa, falhou de forma incrível o golo ao rematar, livre de marcação, ao lado do poste direito da baliza de Marafona.

Dando mostras de insatisfação com 0-0 ao intervalo, o Sporting de Braga entrou na segunda parte mais dinâmico e veloz, criando maiores dificuldades ao Vitória de Setúbal. Aos 57 e 59 minutos, os sadinos criaram perigo de bola parada. Primeiro foi Mendy a errar o alvo, após libre de Éber Bessa.

Depois foi Dankler, na sequência de um canto, a cabecear sobre a trave. A melhor oportunidade do segundo tempo para desfazer o nulo pertenceu aos vitorianos, aos 74 minutos. Em contra-ataque, Jhonder Cádiz fugiu na esquerda a Goiano e cruzou para Mendy, que cabeceou para defesa atenta de Marafona.

Dois minutos depois de entrar em campo, Wilson Eduardo, aos 80 minutos, desperdiçou uma excelente ocasião para marcar ao rematar, após assistência de Dyego Sousa, ao lado do poste direito da baliza vitoriana. Por falta de Dankler sobre João Palhinha, o Sporting de Braga dispôs de um penálti, aos 88 minutos, para resolver o jogo, mas Dyego Sousa, da marca dos 11 metros, disparou à trave.

Falhada a grande penalidade, os bracarenses voltara a ter novo mau momento no lance imediato quando Raul Silva travou em falta Jhonder Cádiz e foi expulso por acumulação de cartões amarelos.

A jogar em superioridade numérica, Berto, que substituiu Éber Bessa aos 89 minutos, quase marcou aos 90+3 num remate que só não deu golo devido a defesa de Marafona, que levou a partida para prolongamento.

No prolongamento, mesmo com menos uma unidade, os bracarenses foram mais eficazes. Para isso muito contribuiu o entendimento entre dois jogadores que tinham começado o jogo no banco de suplentes. João Novais marcou o canto e Pablo elevou-se para fazer o 1-0 dos minhotos.

Até ao apito final , o Vitória voltou a ter várias oportunidades para marcar, mas a clarividência, como ilustra o lance de Jhonder Cádiz (105+1), não foi a desejada, razão pela qual o sonho de regressar ao Jamor terminou ontem em Setúbal.

Bonfim ovaciona Nuno Pinto ao minuto 21

Nuno Pinto, defesa do Vitória, que está a lutar contra um linfoma inguinal, foi homenageado pelos adeptos presentes no Estádio do Bonfim que aplaudiram o jogador ao minuto 21 da partida com o Sporting de Braga, dos oitavos de final da Taça de Portugal.

Depois de conhecer o diagnóstico, o lateral-esquerdo, de 32 anos, que actua com a camisola número 21, anunciou no domingo a interrupção da carreira por tempo indeterminado. Além dos aplausos dos adeptos que estiveram presentes no Estádio do Bonfim, a claque Grupo 1910 exibiu uma tarja de apoio ao jogador. “Os nossos não deixamos cair. Força Nuno”, escreveram. A claque do Sporting de Braga também não esqueceu o drama que o jogador vive e exibiu também uma tarja: “Nuno Pinto, força e coragem guerreiro”, lia-se na mensagem.

O defesa, que recebeu inúmeras mensagens de apoio e solidariedade de todos os quadrantes do desporto nacional, esteve acompanhado pela mulher e filhos, a assistir à partida que opôs os setubalenses aos bracarenses. A notícia da doença do lateral esquerdo, de 32 anos, foi revelada pelo presidente dos sadinos, Vítor Hugo Valente, perante o plantel e cerca de 50 adeptos do clube e amigos do jogador, que fizeram questão de estar ao lado de Nuno Pinto.

 

Presidentes lado a lado

Vítor Hugo Valente e António Salvador, presidentes do V. Setúbal e Sp. Braga, respectivamente, assistiram juntos à partida entre os clubes cujas administrações lideram. O facto de estarem lado a lado no camarote presidencial do Bonfim, é sinónimo das boas relações existentes entre os dois emblemas.

 

Adjunto Meyong expulso

Meyong, treinador adjunto dos vitorianos, recebeu, aos 39 minutos, ordem de expulsão do árbitro Luís Godinho. A decisão surgiu na sequência dos protestos do público sadino e de todos os elementos do banco de suplentes que contestaram de forma veemente o cartão amarelo exibido no minuto anterior ao defesa Dankler.

Sub-23 sadinos goleiam Cova da Piedade

A contar para a 18.ª jornada da Liga Revelação, o Vitória FC alcançou esta terça-feira uma goleada, por 4-1, na casa do vizinho Cova da Piedade. O primeiro golo do triunfo setubalense foi apontado por Victor Veloso, aos 29 minutos de jogo, tento que permitiu aos comandados de Chiquinho Conde chegarem ao intervalo a vencer por 1-0. Os piedenses repuseram a igualdade já na segunda parte, mas uma excelente recta final do Vitória permitiu operar a reviravolta por números esclarecedores.  Sávio, Victor Veloso (bisou) e Diogo Lobo foram os marcadores de serviço nos últimos 10 minutos da partida.

 

Jovem Tiago Nascimento estagia com plantel

Tiago Nascimento, jogador dos sub-13 do Vitória, viveu um dia especial ao passar o miniestágio que os sadinos fizeram antes da partida com o Sp. Braga, da Taça de Portugal, com a equipa principal. Fustigado por lesões (fractura de um pé no início da época e agora um braço), o clube quis transmitir uma mensagem de ânimo ao jovem atleta que assim teve uma prenda de Natal antecipada.

Comentários

- Pub -